Diário da Serra

“É uma estratégia política”, afirma Serraprev

Rodrigo Soares / Redação DS 13/06/2019 Política

Reforma da Previdência retirou Estados e Municípios do texto

Presidente da Serraprev,  Heliton Luiz de Oliveira, o Leto

Depois de muita negociação, o relator da proposta de reforma da Previdência na comissão especial da Câmara, Samuel Moreira, retirou Estados e Municípios do texto. Na proposta original entregue ao Congresso Nacional em fevereiro, as mudanças que seriam adotadas para os servidores federais também seriam estendidas a governos estaduais e prefeituras.


Para o presidente do Instituto Municipal de Previdência Social dos Servidores de Tangará  da Serra (Serraprev), Heliton Luiz de Oliveira, o Leto, ele não vê a modificação com bons olhos, tendo em vista a dificuldade de cada Estado e Municípios de fazer a legislação própria da reforma na previdência. “A retirada é algo que não vejo como favorável. Mas, acredito que isso foi uma estratégia política e que os Estados e Municípios vão entrar na reforma”, comentou Leto ao Diário da Serra, ao destacar que a economia que o Governo Federal pretende fazer com que a reforma na Previdência Social deve ter a participação dos outros entes federativos para ser efetiva. “Se eles (Estados e Municípios) não estiveram juntos na reforma, não terá essa economia de mais de R$ 900 bilhões como o esperado”, relatou Leto.


Ainda de acordo com o presidente da Serraprev, a reforma na previdência é necessária para o equilíbrio dos cofres públicos, porém poderia ter sido melhor discutida para não causar tanto impacto, principalmente aos servidores públicos. “Poderiam ter criado regras e transição para quem está mais próximo de se aposentar, a questão do servidor público está muito penalizada (...) Quem tinha expectativa de se aposentar daqui a oito anos, por exemplo, vai se aposentar daqui a quinze, quase o dobro”, exemplificou o presidente.
 

Notícias da editoria