Diário da Serra

Família tangaraense é destaque na produção de flores tropicais

MT Horticultura 14/06/2019 Geral

Família Trevizoli conheceu as flores tropicais na Unemat e começou a produzir

Geral

Jessica Ribas Trevizoli foi participante de um Dia de Campo promovido pelo MT Horticultura, um programa de extensão universitário da Universidade do Estado de Mato Grosso (Unemat), que teve objetivo de mostrar novas culturas e alternativas para empreendedores do campo.

 

Isso possibilitou Jéssica a se interessar pelo cultivo de flores tropicais e assim começar a investir na produção. O evento aconteceu no campus da Unemat de Tangará da Serra- MT, no ano de 2016. Logo após, Jéssica e sua irmã, Camila Trevisoli se associaram para abrir a empresa “Imperial Flores Tropicais”.

 

Jessica é Engenheira Florestal e estava em dúvida sobre qual cultivo começar a produzir em sua propriedade. Dessa forma, conheceu a pesquisa desenvolvida pela Unemat com flores tropicais e desde então tem o apoio dos professores envolvidos.

 

O cultivo é feito na Chácara Imperial, propriedade da família Trevizoli na zona rural de Tangará da Serra e é considerada uma plantação relativamente nova. Apesar disso, após um ano e meio de plantio, já foi possível tornar a produção rentável. Isso gerou uma grande demanda, principalmente para decoração de alguns eventos que acontecem na cidade e em regiões próximas.

 

Além da sociedade entre as irmãs, elas possuem a ajuda de seus pais, Maurício e Neuza Trevizoli. “Eles auxiliam em todo o manejo, desde a colheita, limpeza e entrega. Eles sabem fazer de tudo e todos sabem suas devidas funções”, afirma Jessica. A produtora ainda aborda a importância de sua família para esse processo. “Eu não conseguiria fazer sozinha, pois o plantio é muito grande, e a importância da agricultura familiar é essa, unir a família, pois não é apenas plantar, é preciso inúmeros cuidados”, disse.

 

O destaque conquistado pela família, se deve justamente pela exuberância das flores tropicais. Em sua propriedade, existem variedades de helicônias, alpínias, bastões do imperador e até mesmo a flor-de-vidro, que sua espessura é tão resistente que é comparada com o próprio vidro.

 

Por ser um segmento exótico para o ramo da decoração, chama a atenção das pessoas em cerimoniais e festas. Dessa forma, a grande quantidade de pedidos para eventos acaba sobrecarregando a produção. “Estamos buscando com que outras pessoas se interessem pelas flores, pois não tem muito plantio, e as vezes chegam pedidos muito grandes que não conseguimos atender”, afirmou Camila Trevisoli.

 

Dia de Campo

Após três anos de plantio, a família teve a oportunidade de mostrar seu caso de sucesso na região. Um dia de campo do MT Horticultura foi promovido na Chácara Imperial no dia 10 de maio de 2019 e reuniu estudantes, produtores, entidades e interessados em conhecer a cultura de Flores Tropicais. O evento ainda contou com a presença do vereador Professor Sebastian, que parabenizou a família. “O legislativo valoriza e prestigia a iniciativa na questão de investimento na região. Então este evento é importante não apenas para a questão comercial, mas também prestigiar o empreendimento”, disse.

 

Os participantes do evento também falaram sobre a experiência de participar do Dia de Campo. Como a aluna de Agronomia da Unemat, Maria Formagio. “É um evento que busca tirar os alunos da sala, e levar para conhecer de fato as culturas. É como dizem, que tudo é diferente na prática. Além de ser positivo ter contato com as pessoas do campo”, afirmou a estudante.

 

A produtora e fazendeira, Vilma Bonzanini também falou sobre as flores Tropicais como um possível negócio. “Realmente me encantei com isso e estou pensando seriamente em começar um plantio dessas flores tão belas, pois já tenho essa ideia de trabalhar com flores. Vou me informar melhor sobre”, afirmou a produtora.

 

As irmãs Trevizoli usaram o dia de campo para mostrar o cultivo e até conseguir com que mais pessoas se interessem pelo plantio. “Temos interesse de parcerias com pessoas que queiram plantar em suas áreas, por isso o dia de campo é importante. Nós começamos assim também”, conta Camila. Sua irmã Jessica também falou sobre o aproveitamento do evento. “Vemos várias pessoas interessadas na cultura, pois é a primeira aqui em Tangará. Então existe esse deslumbramento na questão do plantio, e flor sempre traz essa alegria no rosto das pessoas. Isso é muito bom, porque são mais pessoas conhecendo nosso trabalho”, comentou.

 

 

Flores Tropicais e o clima do Mato Grosso

 

A pesquisadora em flores tropicais e professora da Unemat, Celice Alexandre Silva, ajudou a produzir o evento na propriedade de Trevizoli, e ela falou sobre a cultura ser propícia para o plantio na região. “As flores tropicais estão adaptadas a um clima que é presente aqui na região centro-oeste, especialmente no Mato Grosso. Um clima quente e seco, pois temos um tempo de seca e chuva bem determinados, no mais as temperaturas são altas. Esse é o clima ideal para o desenvolvimento”, explica.

 

Celice ainda falou sobre a determinação de Jéssica para iniciar o plantio em Tangará da Serra. “A Jéssica reúne as características de um empreendedor, pois ela quer evoluir, pensa grande, em larga escala. Ela tem a área, água na propriedade e conhecimento. Então, essas são as características necessárias para um bom empreendedor. Existe também a característica de ser agricultura familiar. Então a família também abraçou o sonho dela. E todos trabalham unidos, por isso que dá certo”, conclui.



Notícias da editoria