Diário da Serra

Cigarro contrabandeado movimentará R$ 201 mi este ano em MT

Olhar Direto 04/11/2019 Polícia
Polícia

Pesquisa realizada pelo Ibope Inteligência aponta que 58% do cigarro consumido em Mato Grosso é contrabandeado do Paraguai. O montante irá movimentar cerca de R$ 201 milhões apenas neste ano. Segundo o Ibope, o cigarro ilegal no Estado passou de R$ 4,43 para R$ 4,26 enquanto o preço mínimo estabelecido pelo governo para o cigarro legal no Brasil é de R$ 5,00.

 

Esses números representam um recorde histórico da participação do cigarro ilegal no mercado mato-grossense e pode ser atribuído a três fatores: redução no número de apreensões (-76%), aumento da participação de mercado de cigarros nacionais ilegais de 5% para 7% e a redução do preço médio do cigarro ilegal.

Para o presidente do Instituto Brasileiro de Ética Concorrencial (ETCO), Edson Vismona, os dados do Ibope devem ser vistos com bastante atenção, e mostram como o fator financeiro impacta no crescimento do contrabando. “É fundamental reduzir a principal vantagem dos contrabandistas nessa guerra contra o contrabando: a diferença de preços entre os cigarros legais e aqueles trazidos ilegalmente do Paraguai. O atual sistema tributário penaliza principalmente os consumidores das classes C, D e E pois o imposto que incide sobre os produtos premium é exatamente o mesmo dos produtos populares” afirma Vismona.
 
O contrabando no Brasil
O Ibope apontou crescimento no mercado ilegal de cigarros pelo sexto ano consecutivo: 57% de todos os cigarros consumidos no país em 2019 foram ilegais, sendo que 49% foram contrabandeados (principalmente do Paraguai) e 8% foram produzidos por fabricantes nacionais que operam de forma irregular. Com isso, 63,4 bilhões de cigarros ilegais inundaram as cidades brasileiras.

 

O número deste ano representa um crescimento de 3 pontos percentuais em relação à pesquisa de 2018. Com isso, a arrecadação de impostos do setor será inferior à sonegação causada pela ilegalidade: R$ 11,8 bilhões contra R$ 12,2 bilhões. Esse valor, se revertido em benefícios para a população, poderia ser usado para a construção de 5,9 mil Unidades de Pronto Atendimento, 21 mil Unidades Básicas de Saúde ou 8,6 mil creches.

 

Notícias da editoria