Diário da Serra

1º Prêmio Startup: Trabalhos apresentados versaram sobre tecnologia, saneamento e sustentabilidade

Enfoque Business 08/11/2019 Geral
Geral

O anfiteatro do Centro Cultural de Tangará da Serra recebeu, mais uma vez, bom público para o 2º Fórum Municipal de Saneamento e Educação Ambiental. Na segunda data da programação, ontem (quinta, 07) à noite, as principais atrações foram as apresentações dos três trabalhos selecionados para o 1º Prêmio Startup, que integra a programação do evento.

 

Promovido pelo Serviço Autônomo Municipal de Água e Esgoto (SAMAE) de Tangará da Serra, o 2º Fórum Municipal de Saneamento e Educação Ambiental segue hoje (sexta, 08), a partir das 19hs, quando será conhecido o trabalho vencedor entre as startups. O 2º Fórum será encerrado com palestra sobre o tema ‘Profissional do Futuro’.

Antes das apresentações, porém, houve palestras sobre ‘Ferramentas de Controle do Serviço Público’, com Ediberto Correa, do Conselho Federal de Administração (CRA-MT). Na sequência, o servidor do SAMAE, Rafael Grigulo, que é o técnico responsável pelo tratamento de água na ETA Queima Pé, ministrou palestra sobre ‘Qualidade da Água: Padrões e Produção’.

A terceira e última palestra foi ministrada pelo secretário municipal de Planejamento, Júlio César Gomes da Silva, e teve como tema ‘Tarifa de Água: Entenda seu valor’.

 

Os três trabalhos selecionados para o 1º Prêmio Startup foram aplaudidos pelo público presente. Foram apresentados os projetos ‘Fossa Verde’, ‘Inovação em Tecnologia da Informação no Atendimento dos Serviços Prestados pelo SAMAE’, e ‘Sabão em Pó Ecológico de Sabão Verde’.

 

A premiação, patrocinada pela HidroReader, acontece nesta sexta-feira, data de encerramento do evento.

 

Fossa Verde

O primeiro a ser apresentado foi o projeto ‘Fossa Verde’, pelos empreendedores Mayra Paula de Souza, Akson Calomezore Monzilar e Wesley Pereira de Jesus. O projeto consiste em fossa séptica sustentável com estrutura em alvenaria de quatro paredes, a pelo menos um metro de profundidade no solo. O fundo da estrutura recebe produto impermeabilizante, uma camada de entulhos, uma tubulação de pneus, outras camadas de brita, areia e terra e, por fim, plantas de folhas largas, como bananeira e mamoeiro. As plantas recebem nutrição a partir da evapotranspiração da água dos dejetos, a qual contém ferro e nitrogênio. Raízes não são recomendadas neste processo. O custo da fossa verde chega, no máximo, a R$ 700 e tem como público alvo propriedades na zona rural, onde não há saneamento como nas cidades.

 

SAMAE Mobile

O segundo projeto apresentado – ‘SAMAE Mobile’ – foi desenvolvido pelos jovens empreendedores Flávia da Silva Souza, Eduardo Silva Santos e William Rodrigues Tavares. O aplicativo ‘SAMAE Mobile’ tem por finalidade prover acesso e informações digitais sobre os serviços prestados pela autarquia, otimizando processos e melhorando a qualidade no atendimento. As funções incluem integração com hidrômetros inteligentes, a assistente digital ‘SAMARA’, solicitações de serviços, pagamentos, histórico de contas e notícias. O custo do aplicativo está situado entre R$ 40 mil e R$ 80 mil.

 

Sabão de mamão

Finalmente, o terceiro projeto apresentado foi ‘Sabão em Pó Ecológico de Mamão Verde’. Desenvolvido na Escola Técnica Estadual de Tangará da Serra pela turma de Técnico em Logística, o projeto foi vencedor em 2016 da Semana Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação, na capital do estado. A apresentação ficou ao encargo da empreendedora Solange Perin. Ela explicou que o projeto consiste no uso de óleo vegetal saturado, vinagre, além do mamão verde, tendo múltiplo uso, doméstico e industrial.

Notícias da editoria