Diário da Serra

Com seis nomes, grupo fará pesquisas para definir candidato

Mídia News 10/01/2020 Política

Assunto foi debatido na noite de quinta, durante uma reunião na casa do prefeito Emanuel Pinheiro

Política

Um grupo com lideranças de pelo menos oito partidos está articulando lançar uma chapa para concorrer à eleição suplementar ao Senado que acontecerá em Mato Grosso, provavelmente no dia 26 de abril.

 

Até o momento, já há seis cotados dentro deste arco, o qual seus integrantes denominaram como “grupo da boa política”. E todos terão seus nomes submetidos a pesquisas quantitativas e qualitativas, de modo a definir quem será o candidato.

 

Serão analisados os nomes de Júlio Campos (DEM), Neri Geller (Progressista), Max Russi (PSB), Nilson Leitão (PSDB), Neurilan Fraga (PSD) e Juca do Guaraná (Avante). A ideia é que as pesquisas sejam realizadas no máximo até o início de fevereiro.

 

O assunto foi debatido na noite da última quinta-feira (9), durante uma reunião na casa do prefeito de Cuiabá, Emanuel Pinheiro (MDB).

 

Além do prefeito, participaram do encontro o senador Jaime Campos (DEM) e sua esposa, a prefeita de Várzea Grande, Lucimar Campos (DEM), o ex-senador Júlio Campos, os deputados federais Emanuel Pinheiro Neto (PTB) e Neri Geller e o deputado estadual Max Russi.

 

Segundo o prefeito Emanuel Pinheiro, esses nomes se juntaram, neste primeiro momento, independente de seus partidos. E, a partir de agora, tentarão fazer com que suas siglas também integrem esse arco.

 

“Como já disse anteriormente, a cassação da senadora Selma Arruda foi uma ruptura em Mato Grosso e o Estado, mais do que nunca, precisa da união de seus políticos. A Baixada Cuiabana, por ser o condão maior e dada sua expressão política, precisa protagonizar esse processo”, justificou o prefeito.

 

“Diante disso, fizemos esse pacto da boa política, independente de cores partidárias. Cada um desses que participou da reunião está autorizado a dar sequência a essas conversas dentro de seus partidos e ampliar isso para outras siglas também. De todo modo, esse grupo está formado. O pacto está selado”, emendou Emanuel, que é quem estaria liderando essa construção.

 

Segundo ele, apesar de não ter participado da reunião – por estar em viagem ao exterior - o ex-deputado Nilson Leitão autorizou o senador Jaime Campos a “representá-lo” no encontro.

 

Ainda segundo Emanuel, o grupo também deve dialogar com o senador Wellington Fagundes (PL) nos próximos dias, assim que ele também retornar de viagem.

 

“Não estamos vetando ninguém, pelo contrário. Vamos ampliar as conversas. Eu, por exemplo, vou levar o assunto para dentro do MDB, para tentar o apoio do partido. E acredito que não terei dificuldades”, disse.

Notícias da editoria