Diário da Serra

“Exigiu muito do físico”, avalia educador, sobre Corrida de Reis

Redação DS 13/01/2020 Esportes

O calor foi o grande destaque da prova neste ano

Tangaraenses antes, durante e depois da prova

Com uma grande equipe, em pequenos grupos ou correndo sozinho, profissionalmente ou desafio pessoal, que milhares de atletas participaram no último domingo, 12 de janeiro, da 36ª edição da Corrida de Reis, em Cuiabá.


Assim como manda a tradição, o calor escaldante da capital do Estado foi o grande destaque da prova. “Muitoooo quente”, resumiu o tangaraense Gill Magalhães, que comandou um grande grupo de atletas na prova. “Foi uma prova difícil”.


Além do calor, para o tangaraense, a mudança de percurso em função de obras de mobilidade urbana próximo a ponte Sérgio Motta, também dificultaram neste ano. “Ano de mudanças e o novo trajeto deixou muito a desejar em alguns pontos. Alguns pontos com ruas estreitas e fluxo ficou prejudicado”, acrescentou. “Uma prova que exigiu muito do físico por conta dos trechos de subida e do calor, é muito mais ainda do emocional”.


O grupo Fun4US contou com a participação de 30 atletas de Tangará, além do pequeno Nicolas (filho de Gill Magalhães). “Corremos no triciclo e com o apoio dos amigos Bruno e Sandro concluímos a prova bem (…) e ele curtiu um monte”.


Assim como eles, muitos outros tangaraenses iniciaram o ano correndo ao lado de mais 15 mil corredores, de seis países (Brasil, Quênia, Uganda, Tanzânia e Eritreia) e 160 cidades de 18 estados brasileiros inscritos nas de diversas categorias.


A corrida teve um novo percurso, de 10 km, cuja largada foi próximo à Ponte Nova, em Várzea Grande, com chegada na Arena Pantanal. Os corredores se dividiram em pelotões. O de elite foi composto por 63 atletas, dos quais 43 homens e 20 mulheres; o VIP, por 1.650 atletas; e categoria geral, com 13.750 inscritos.


Ao final, os vencedores foram os quenianos Geofry Kipchumba, de 20 anos, no masculino; e na prova feminina, Janet Masai, 27 anos.



Notícias da editoria