Diário da Serra

Estudantes tangaraenses se destacam no Enem

Paulo Desidério - Redação DS 20/01/2020 Educação

Monalisa, de 17 anos, obteve 940 pontos na redação

Educação

Diferentemente do ano passado, Tangará da Serra e Mato Grosso não registrou alunos com nota máxima na redação do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) na edição de 2019. O fato, no entanto, não tira o brilho dos estudantes que obtiveram boas pontuações.

 

Da Escola 29 de Novembro, Gisela Jaíne da Costa Macedo fez 800 pontos e Thiago Sousa da Silva, 880. Do 13 de Maio, João Nazareno, Andressa Rodrigues, Gustavo Munhoz, Gabriel Antunes de Moura e Carlos Daniel também superaram a marca dos 800 pontos, variando entre 820 e 860 pontos.

 

O assessor pedagógico da Seduc, Saulo Scariot, avaliou o bom desempenho dos alunos da rede estadual de educação na prova.

 

“Vejo com uma avaliação positiva, visto que vários de nossos alunos atingiram uma pontuação acima de 800 na redação do Enem. Podemos destacar a nossa aluna da Escola Plena Ramon Sanches Marques, Monalisa Serrano, a qual conseguiu 940 pontos. É possível que um dos avaliadores registrou nota máxima para esta redação. Temos outros alunos com pontuação acima de 900, mas não quiseram divulgar. Quero externar a nossa alegria parabenizando todos os professores da rede estadual, os quais se dedicam diariamente em prol dos nossos alunos”, declarou.

 

Monalisa Serrano, a aluna mencionada por Saulo, concedeu entrevista ao Diário da Serra. Hoje com 17 anos, ela é moradora do Distrito de Progresso. Filha de trabalhadores autônomos, ela conta que a preparação para a prova foi praticamente por conta própria.

 

"Meus pais nunca tiveram dinheiro o suficiente para pagar cursinhos preparatórios, então eu assistia vídeos no YouTube, fazia cursinhos de graça pela internet, pedia conselho para pessoas que já tinham um pouco mais de conhecimento, participei de palestras em alguns lugares, acredito que essas coisas me ajudaram bastante", destacou, ao dizer que ficou surpresa com o tema da redação, que falou sobre a democratização do cinema.

 

"Eu fiquei muito surpresa, pois não esperava um tema daquele, pensei que não fosse ter muito o que escrever, mas mantive a calma e deu tudo certo", disse.

 

Para que as coisas deem mais certo ainda, Monalisa e todos os que sonham em ingressar no ensino superior terão de usar a nota do Enem no Sistema de Seleção Unificada (Sisu). Monalisa quer cursar arquitetura e urbanismo, pela Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT).

 

Perguntada sobre o algo ou alguém que lhe inspira, ela fez questão de exaltar os pais.

 

"Meus pais são minha inspiração em tudo. Sempre me apoiaram em todas as decisões. Me incentivavam a estudar, pois como eles dizem o estudo é a única coisa que ninguém tira de nós. E apesar de não terem feito um faculdade, são pessoas muito inteligentes e esforçadas", pontuou.

Notícias da editoria