Diário da Serra

Unemat realiza aula inaugural do primeiro Mestrado Indígena do Centro-Oeste do País

Assessoria Unemat 08/02/2020 Educação
Educação

Um marco na história da Universidade do Estado de Mato Grosso (Unemat) ocorreu nesta sexta-feira, 7 de fevereiro: a aula inaugural do primeiro mestrado indígena do Centro-Oeste do País, ofertado pelo Programa de Pós-Graduação em Ensino em Contexto Indígena Intercultural (PPGecii) da Unemat.


Tendo início às 14 horas no Auditório Professor Júlio César Geraldo, no Câmpus da Unemat em Barra do Bugres, a aula inaugural foi composta de duas palestras: ‘Garantia dos valores culturais na educação indígena: direitos das crianças e dos adolescentes indígenas no processo de educação’, ministrada pela promotora de Justiça do Estado de Mato Grosso, Maria Coeli Pessoa de Lima, e ‘A cultura em relação com o uni-diverso’, ministrada pelo doutor em Educação e professor da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), Luiz Augusto Passos. A discussão após as duas palestras foi mediada por Maria Helena Fialho, ex-coordenadora de Educação Escolar Indígena da Fundação Nacional do Índio (Funai). Também houve uma apresentação do povo Xavante.
 

De acordo com o reitor da Unemat, Rodrigo Bruno Zanin, este é o resultado de um processo iniciado anos atrás e que contou com a colaboração de inúmeras pessoas. “A Universidade está, mais uma vez, mostrando seus resultados e sua potencialidade não só para as populações indígenas, mas para a população mato-grossense como um todo”, contou Rodrigo.
 

A mestranda Nilce Zonizokemairo é graduada pela Faindi e atua como professora indígena há 26 anos. Agora Nilce procura aprofundar ainda mais seus conhecimentos. “É uma honra estar de volta na Unemat para me aprimorar e buscar sempre melhorar a educação das aldeias”, disse a professora.
 

Graduado em Licenciatura Intercultural Indígena com Habilitação em Ciências da Natureza e Matemática, Edivaldo Lourival Mampuche dá aulas em aldeias indígenas há 14 anos e, agora, é um dos 20 mestrandos do PPGeci. “Esta é uma oportunidade de adquirir o conhecimento e poder ajudar melhor a minha comunidade lá na escola”, explica Edivaldo. “Eu acredito que a escola pode fazer muita diferença em definir aquilo que a comunidade indígena precisa, e não as demandas que vêm de fora”, afirma o mestrando.
 

Ofertado pela Faculdade Indígena Intercultural (Faindi), o PPGecii da Unemat é o primeiro mestrado indígena da Região Centro-Oeste do Brasil, bem como um dos primeiros do País.
 

O coordenador do PPGecii, Adailton Alves da Silva, afirma que toda a luta para a aprovação do PPGecii valeu a pena. “Este é um desafio muito grande para a Universidade, mas vamos aprender neste caminho do aprender, junto com os indígenas”, disse Adailton. 
 

“A aprovação deste programa é uma política educacional importantíssima da Universidade e uma forma de fortalecer a Faindi”, explica a diretora da Faindi, Mônica Cidele da Cruz.
 

O Mestrado conta com uma diversidade de povos indígenas: são 20 mestrandos de 11 etnias diferentes, classificados de um total de 96 inscritos. A primeira turma de mestrandos conta com índios das etnias Bororo, Chiquitano, Ikipeng, Manoki, Munduruku, Pareci, Surui, Tapirapé, Terena, Umutina e Xavante.
 

A prova de seleção foi realizada no último dia 20 de outubro. O processo de seleção também contou com as etapas de arguição do projeto de pesquisa e análise de currículo. Com 360 horas-aula e duração de 14 a 24 meses, o programa funciona na modalidade presencial, com a oferta de disciplinas em módulos no câmpus da Unemat em Barra do Bugres. O curso tem a área de concentração em Ensino, com as linhas de pesquisa ‘Ensino e linguagens em contexto intercultural’ e ‘Ensino, docência e interculturalidade’.
 

Com uma proposta diferenciada, a capacitação de professores em nível de Mestrado Profissional, tem como meta proporcionar empoderamento aos docentes indígenas de valores pedagógicos agregados aos etnoconhecimentos, com vistas ao enriquecimento e à eficácia das práticas profissionais nas escolas das aldeias.
 

Desde a Constituição Federal de 1988, há um empoderamento etnopolítico das comunidades indígenas e dos professores indígenas em fazer com que a educação escolar seja ressignificada com os sistemas próprios de aprendizagem. Em conformidade com a CF e toda história em educação indígena da Unemat, o curso pretende atender docentes indígenas para que possam desenvolver atividades de pesquisas em ensino junto à Educação Básica e projetos de formação de professores indígenas implantados no Estado e em outras regiões do país.
 

Além do reitor e do coordenador do Programa, participaram da mesa de autoridades a vice-reitora, Nilce Maria da Silva; o pró-reitor de Pesquisa e Pós-Graduação, Anderson Fernandes de Miranda; o diretor político-pedagógico e financeiro, Fernando Selleri Silva; o cacique da aldeia Umutina, Lucimar Calomizoré; o presidente do Conselho Estadual de Educação Escolar Indígena, Filadelfo de Oliveira Neto; e o representante dos alunos no conselho do PPGecii, Marcelo Manhunari Munduruku.

Notícias da editoria