Diário da Serra

“Não adianta pressionar”, dispara Junqueira sobre fechamento do comércio em Tangará

Fabíola Tormes / Redação DS 01/04/2020 Política
Política

O prefeito de Tangará da Serra, Fábio Martins Junqueira, usou as redes sociais na manhã desta quarta-feira, 1º de abril, para confirmar o primeiro caso de Coronavírus no Município.


Na oportunidade, em um pronunciamento de mais de 20 minutos, ele pediu que a população redobre os cuidados e ainda disparou. “Não adianta pressionar”.


“O que a gente podia fazer para flexibilizar o comércio, até o momento, já fizemos (...) Não tem como flexibilizar mais nada antes do dia 5, que é a data da quarentena. Se for prorrogado essa quarentena, aí sim a gente volta a conversar. A única certeza que temos agora é que as aulas ficarão suspensas até dia 20 (…) As outras questões, vai depender de como será orientado pelo Ministério da Saúde. Se vai continuar mantendo o comércio nessas condições, só do que é essencial ou se vai flexibilizar”, continuou.


Porém, em decreto publicado no dia 31 de março, Junqueira ordenou o fechamento parcial do comércio até dia 20 de abril e, em comunicado nesta quarta, em todo instante, falou do fechamento somente até 5 de abril. “Não adianta pressionar o comércio a mais até o dia 5, porque nós já chegamos a irredutibilidades neste aspecto. Até dia 5 não há como a gente mudar isso. É a data da quarentena. Vamos obedecer”.


“Estamos tomando todas as providências possíveis, mas temos confrontado exatamente com a tentativa de quebrar a quarentena que é tão curta: começou dia 23 e vai até o dia 5 de abril. São 15 dias”, declarou, ao afirmar que economia não está parada. “Só esse comércio, que gera contato físico, e que não é essencial, esse que nós continuamos impedindo o funcionamento para o público, mas o interno, pode estar acontecendo com delivery, entrega”.

O prefeito de Tangará da Serra, Fábio Martins Junqueira, usou as redes sociais na manhã desta quarta-feira, 1º de abril, para confirmar o primeiro caso de Coronavírus no Município.

Na oportunidade, em um pronunciamento de mais de 20 minutos, ele pediu que a população redobre os cuidados e ainda disparou. “Não adianta pressionar”.

O que a gente podia fazer para flexibilizar o comércio, até o momento, já fizemos (...) Não tem como flexibilizar mais nada antes do dia 5, que é a data da quarentena. Se for prorrogado essa quarentena, aí sim a gente volta a conversar. A única certeza que temos agora é que as aulas ficarão suspensas até dia 20 (…) As outras questões, vai depender de como será orientado pelo Ministério da Saúde. Se vai continuar mantendo o comércio nessas condições, só do que é essencial ou se vai flexibilizar”, continuou.

Porém, em decreto publicado no dia 31 de março, Junqueira ordenou o fechamento parcial do comércio até dia 20 de abril e, em comunicado nesta quarta, em todo instante, falou do fechamento somente até 5 de abril. “Não adianta pressionar o comércio a mais até o dia 5, porque nós já chegamos a irredutibilidades neste aspecto. Até dia 5 não há como a gente mudar isso. É a data da quarentena. Vamos obedecer”.

Estamos tomando todas as providências possíveis, mas temos confrontado exatamente com a tentativa de quebrar a quarentena que é tão curta: começou dia 23 e vai até o dia 5 de abril. São 15 dias”, declarou, ao afirmar que economia não está parada. “Só esse comércio, que gera contato físico, e que não é essencial, esse que nós continuamos impedindo o funcionamento para o público, mas o interno, pode estar acontecendo com delivery, entrega”.

Ao finalizar, pediu calma e apoio. “Continuem atendendo nosso decreto até o dia 5”.

O prefeito de Tangará da Serra, Fábio Martins Junqueira, usou as redes sociais na manhã desta quarta-feira, 1º de abril, para confirmar o primeiro caso de Coronavírus no Município.

Na oportunidade, em um pronunciamento de mais de 20 minutos, ele pediu que a população redobre os cuidados e ainda disparou. “Não adianta pressionar”.

O que a gente podia fazer para flexibilizar o comércio, até o momento, já fizemos (...) Não tem como flexibilizar mais nada antes do dia 5, que é a data da quarentena. Se for prorrogado essa quarentena, aí sim a gente volta a conversar. A única certeza que temos agora é que as aulas ficarão suspensas até dia 20 (…) As outras questões, vai depender de como será orientado pelo Ministério da Saúde. Se vai continuar mantendo o comércio nessas condições, só do que é essencial ou se vai flexibilizar”, continuou.

Porém, em decreto publicado no dia 31 de março, Junqueira ordenou o fechamento parcial do comércio até dia 20 de abril e, em comunicado nesta quarta, em todo instante, falou do fechamento somente até 5 de abril. “Não adianta pressionar o comércio a mais até o dia 5, porque nós já chegamos a irredutibilidades neste aspecto. Até dia 5 não há como a gente mudar isso. É a data da quarentena. Vamos obedecer”.

Estamos tomando todas as providências possíveis, mas temos confrontado exatamente com a tentativa de quebrar a quarentena que é tão curta: começou dia 23 e vai até o dia 5 de abril. São 15 dias”, declarou, ao afirmar que economia não está parada. “Só esse comércio, que gera contato físico, e que não é essencial, esse que nós continuamos impedindo o funcionamento para o público, mas o interno, pode estar acontecendo com delivery, entrega”.

Ao finalizar, pediu calma e apoio. “Continuem atendendo nosso decreto até o dia 5”.


Ao finalizar, pediu calma e apoio. “Continuem atendendo nosso decreto até o dia 5”.

Notícias da editoria