Diário da Serra

LUCAS JUSTINO – Ator tangaraense participa da série de ficção ‘O Boneco de Barro e o Rei’ da TV Brasil

Redação DS 27/05/2020 Cultura

Com 26 episódios de 13 minutos, a série cativa o público de todas as idades com a trama do artesão viúvo que molda um boneco com barro e lágrimas

História traz referências baseadas no folclore e em tradições brasileiras

Ator tangaraense participa da série de ficção ‘O Boneco de Barro e o Rei’ da TV Brasil

A TV Brasil estreou nesta semana o novo seriado de dramaturgia infantojuvenil ‘O Boneco de Barro e o Rei’. A fábula social contemporânea vai ao ar na faixa TV Brasil Animada em dois horários, às 11h45, de segunda a sábado, e às 15h45, de segunda a sexta (horário de Mato Grosso).


Com 26 episódios de 13 minutos, a série cativa o público de todas as idades com a trama do artesão viúvo que molda um boneco com barro e lágrimas. Nos primeiros raios do sol, o boneco ganha vida e parte em busca de respostas existenciais. Na jornada, ele aprende com os dilemas que lida no reino por ser diferente.


Inspirada no clássico “As Aventuras de Pinóquio”, romance do italiano Carlo Collodi, a história traz referências baseadas no folclore e em tradições brasileiras. A saga do interior mostra na telinha a rica estética do teatro mambembe com a simplicidade de cenários, figurinos e maquiagem. Traços do cordel embalam a animação de abertura dos capítulos que incluem trilha sonora autoral.


Primeiro seriado de ficção tem roteiro e direção assinado por Nival Correia e realização da produtora Spatium Arte e Cultura em co-produção com MZN Filmes e Jubalina Produções, e elenco com cerca de 40 atores da região e 200 profissionais envolvidos no processo, entre eles o tangaraense Lucas Justino, que vive em Tocantins desde 2012, quando se mudou para cursar Teatro pela Universidade Federal do Tocantins. “Motivo de eu ter saído de Tangará da Serra”, conta Lucas ao Diário da Serra, ressaltando, porém, que seus pais e família ainda residem no Município.


Em Tangará, Lucas Justino brilhou durante anos nas Cias de Teatro Grutta e 13 de Maio, e depois seguiu trabalhando e atuando durante o período da faculdade.


Agora inicia novos projetos, entre eles a estreia nas telinhas da TV Brasil, um dos canais que mais exibe conteúdo independente nacional. Além de ser uma grande apoiadora da produção de atrações infantis no mercado audiovisual do país, a emissora estimula novos realizadores.


Em sua programação, o canal público reforça valores como a não violência e a tolerância às diferenças. Referência de conteúdo para a garotada na televisão aberta, a TV Brasil é uma das principais janelas para séries, desenhos e animações nacionais.


História traz referências baseadas no folclore brasileiro

A trama do seriado ‘O Boneco de Barro e o Rei’ acompanha o artesão Mestre Toá (Juliano Gomes) que vive uma rotina feliz com sua esposa (Iva de Oliveira) na província de Barrolândia até que ela morre ao dar à luz a um bebê ainda no primeiro episódio “Gênesis”.


Com sangue real, o viúvo irmão gêmeo do Rei Triste cria a frágil criança até os 10 anos quando o filho (Davi Marques) também falece. Mestre Toá decide terminar de moldar um boneco de barro e lágrimas que fazia para seu filho e vai embora.


O boneco (Felipe Trindade) cria vida após uma névoa que toma a região com o Decreto Real do Silencio. Ele tenta descobrir explicações para suas dúvidas existenciais. Por que não é como as outras pessoas? Por que o tratam com tanta indiferença?


No Reinado Infeliz, dizem que o Rei Triste (Juliano Gomes) é o homem mais sábio do reino. No entanto, o boneco não consegue as respostas devido a esse decreto na corte em vigor desde a doença da rainha (Fernanda Veloso).


Na sua peregrinação, o boneco se depara com diversas situações curiosas que o fazem refletir sobre a vida.



Notícias da editoria