Diário da Serra

NO ACUMULADO – Tangará da Serra fecha semestre com saldo de trabalho formal negativo

Fabíola Tormes / Redação DS 30/07/2020 Geral

No acumulado do ano o saldo é de 660 negativo, variação de -2,74

Geral

Tangará da Serra fecha semestre com saldo de trabalho formal negativo

O Ministério da Economia, através do novo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), divulgou esta semana os números relativos ao  trabalho formal do país do mês de junho, fechando assim os dados do primeiro semestre.


No acumulado, o Brasil perdeu 1.198.363 de postos de trabalho com carteira assinada no primeiro semestre do ano, sendo fortemente afetado pela pandemia do coronavírus, que provocou o fechamento de diversas atividades econômicas no país. Foram 6.718.276 admissões e 7.916.639 desligamentos.


No Estado de Mato Grosso, porém, o saldo do semestre é positivo. No acumulado do ano foram 166.931    admissões e 163.366 desligamentos, um saldo positivo de 3.565 (variação 0,50). Somente no mês de junho foram 27.475 admissões e 20.685 desligamentos, um saldo positivo de 6.790 empregos (variação relativa 0,95).


Já o Município de Tangará da Serra, apesar de pequeno, fechou o primeiro semestre de 2020 com saldo negativo, seguindo os dados nacionais de baixas. No acumulado do ano foram 4.827 admissões e 5.487 demissões, um saldo negativo de 660 vagas (variação -2,74), dados impulsionados pelas demissões em março, abril e maio.


O município iniciou o ano com um pequeno saldo negativo, de 45 empregos formais, quando foram registrados 919 admissões e 964 desligamentos. Em fevereiro houve uma boa recuperação: foram 1.039 admissões e 894 desligamentos, fechando com saldo positivo de 145 empregos.


Já março, quando foram registrados os primeiros casos de coronavírus no Município, o saldo foi negativo. Foram 833 admissões e 1.065 demissões, um saldo negativo de 232 empregos.


Em abril esse número cresceu ainda mais: foram somente 404 admissões e 828 demissões, fechando com saldo negativo de 424 empregos.


No mês de maio uma melhora, mas ainda fechando negativo: 573 admissões e 727 desligamentos, um saldo de 154 a menos.


Já o mês de junho fechou positivo: foram 741 admissões e 703 desligamentos, com saldo positivo de 38 empregos.


Junho tem mais contratações formais que maio

Agência Brasil

O mercado de trabalho formal do País teve melhora em junho quando comparado ao mês de maio. Junho teve 24% mais admissões (172.520) do que o mês anterior e 16% menos desligamentos (166.799). Os dados são do novo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged).


A melhora fez com que o saldo do mês de junho ficasse negativo em 10.984 vagas, número inferior ao registrado em maio, quando o saldo negativo foi de 350.303. Em junho, foram 895.460 admissões e 906.444 desligamentos. Em maio, foram 722.940 admissões e 1.073.243 desligamentos.


Segundo o secretário especial de previdência e trabalho, do Ministério da Economia, Bruno Bianco, os resultados de junho demonstram uma reação importante do mercado de trabalho. “É uma melhora muito significativa, expressiva, que demonstra uma reação clara do mercado de trabalho”, disse.


“O Brasil, de fato, com as políticas públicas que foram feitas tem conseguido êxito no seu objetivo de preservar postos de trabalho, de preservar a renda dos brasileiros”, completou Bianco.


Com relação a abril, pior mês em termos das admissões, junho trouxe um incremento de 43% e queda de 41% nas demissões. “O Brasil fez sua lição de casa nos últimos 15, 16 meses. Desde o início tivemos uma política econômica muito bem sucedida, que nos proporcionou e está nos proporcionando uma passagem pela pandemia de maneira menos grave”, afirmou o secretário Bruno Bianco.


No acumulado do ano, o saldo do emprego formal fechou o primeiro semestre negativo em 1.198.363, resultado de 6.718.276 admissões e 7.916.639 desligamentos.



Notícias da editoria