Diário da Serra

EM CAMPANHA – Candidatos a prefeito em Tangará da Serra poderão gastar até R$ 317 mil

Redação DS 03/09/2020 Política

Para os candidatos a vereador o limite é de R$ 51.830,18

Eleições serão realizadas em novembro

Candidatos a prefeito em Tangará da Serra poderão gastar até R$ 317 mil

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) divulgou o limite de gastos de campanha dos candidatos a prefeito e vereador nas Eleições Municipais deste ano. A planilha está disponível no site do Tribunal Regional Eleitoral de Mato Grosso. Os limites de gastos para as eleições deste ano tiveram como base os valores estipulados nas Eleições Municiais 2016, com as devidas correções monetárias até julho de 2020.


No maior colégio eleitoral de Mato Grosso, Cuiabá, o limite que um candidato a prefeito poderá gastar em sua campanha eleitoral será de R$10.257.718,66 no 1° turno e de R$4.103.087,46 para o 2° turno, se houver. Na capital, o limite de gasto por candidato a vereador é de R$560.511,19.


Em Várzea Grande, cada candidato a prefeito poderá gastar em campanha o valor de R$2.839.285,34, e para o cargo de vereador  o valor máximo de gasto não pode ultrapassar R$93.963,86. Já em Rondonópolis, um candidato a prefeito poderá gastar R$2.924.437,99 e o candidato a vereador, R$106.374,57.


Além de Cuiabá, Várzea Grande e Rondonópolis, candidatos a prefeito de outros cinco municípios mato-grossenses poderão gastar mais de um milhão de reais. São eles: Sinop, Lucas do Rio Verde, Barra do Garças, Água Boa e Primavera do Leste.


Já no Município de Tangará da Serra o teto de gastos fixado para os candidatos a prefeito é de R$317.852,96. Já os candidatos a vereador terão o limite de gastos de R$51.830,18, individualmente.


Para a vizinha, Nova Olímpia, que também faz parte da 19ª Zona Eleitoral, o limite de gastos a prefeito é de R$280.956,05 e a vereador R$21.527,67.


Região - Para Arenápolis o limite é de R$123.077,42 para prefeito e R$12.307,75 para vereador; Barra do Bugres de R$277.759 e R$37.085,30; Brasnorte de R$123.077,42 e R$15.359,43; Campo Novo do Parecis de R$170.606,10 e R$21.756,14; Diamantino de R$319.294,66 e R$30.356,30; Denise de R$167.439,19 e R$12.307,75; Nortelândia de R$123.077,42 e R$12.307,75; Porto Estrela de R$123.077,42 e R$12.307,75; e Sapezal de R$123.077,42 e R$46.906,04.


TETO DE GASTOS – Tangará da Serra terá uma das eleições mais ‘baratas’

Tangará em Foco

O teto de gastos dos candidatos a prefeito em Tangará da Serra nesta eleição é inferior ao de cidades com um número bem menor de habitantes e, automaticamente, uma quantidade pequena de eleitores, como é o caso de Colniza, Colíder, Diamantino, Poxoréu e Santo Antônio do Leverger.


Proporcionalmente, Tangará da Serra deverá ter novamente uma das eleições mais ‘baratas’ de Mato Grosso. Os candidatos a prefeito de Lucas do Rio Verde, por exemplo, poderão gastar nada mais, nada menos que R$2,6 milhões. Em Primavera do Leste poderão gastar R$2,1 milhões e em Água Boa R$1,1 milhão.


Enquanto em Tangará, que possui 105.711 habitantes e 69.332 eleitores, os candidatos a prefeito poderão gastar até R$317.852,96, em Colíder, por exemplo, cidade com 33 mil habitantes e 23.859 eleitores, os candidatos a prefeito poderão gastar até R$669.305,11.


Tangará da Serra tem três vezes o número de habitantes e quase três vezes mais eleitores do que Colíder e, por outro lado, os candidatos a prefeito poderão gastar menos da metade do que os candidatos da cidade do Nortão do estado.


Outro exemplo ainda melhor é Santo Antônio do Leverger, cidade com 15.566 eleitores, quase 5 vezes menos que Tangará, onde os candidatos a prefeito poderão gastar R$780,9 mil.


Na última eleição municipal, em 2016, o limite de gastos dos candidatos a prefeito em Tangará era de R$279.015,72. Na ocasião, o prefeito eleito Fábio Junqueira (MDB) declarou à Justiça Eleitoral gastos de R$218.364,09; Reck Jr. (PSD) R$266.701,66; Vander Masson (PSDB) declarou R$204.920,00 e Sílvio Sommavilla (PDT) declarou gastos de R$70.324,50.
 



Notícias da editoria