Diário da Serra

Cidade de Mato Grosso teve 21 pessoas picadas por serpentes somente neste ano

Juína News 22/09/2020 Saúde

A maior parte dos acidentes com serpentes  na região são relacionadas a jararaca, pico-de-jacá ou surucucu

Saúde

De janeiro até setembro de 2020, 21 pessoas foram vítimas de picada de serpente em Juína. Outras sete foram picadas por escorpiões. Os dados são da Vigilância em Saúde do município. Nenhum óbito foi registrado.


Outras ocorrências envolvendo aranhas, como a caranguejeira, também foram registradas, mas com menor gravidade e restritos à irritações na pele e reações alérgicas.
 

A Unidade de Pronto Atendimento (UPA) de Juína é a porta de entrada para as vítimas de animais peçonhentos de toda a região. Na maioria dos casos as reações são leves ou moderadas por conta da agilidade na aplicação do soro antiofídico.
 

A enfermeira responsável pela imunização em Juína, Veronica Pickler, deu detalhes sobre a disponibilidade do soro antiofídico. “A gente recebe em torno de 2 a 3 atendimentos por mês, mas isso não significa que ele seja o suficiente, como também pode acontecer de não utilizar neste período de 30 dias”, explicou.
 

“Uma vez que a gente precisa de mais soro para atender a demanda a gente solicita ao Escritório Regional de Saúde que nos fornece o soro, mas isso é muito relativo, uma quantidade de 10 a 15 ampolas pode atender até três acidentes, mas há situações que o acidente é grave e que essa quantidade é necessária somente para um caso, de acordo com a avaliação médica”, concluiu Veronica.
 

A maior parte dos acidentes com serpentes  na região são relacionadas a jararaca, pico-de-jacá ou surucucu. Em relação à jiboia, apesar de não possuir veneno, sua mordida pode ocasionar infecção, devido às bactérias presentes em sua boca, sendo comum atendimento envolvendo a serpente.
 

Acidentes envolvendo marimbondos, vespas e abelhas também são frequentes na região. É importante que pessoas alérgicas redobrem a atenção.

Notícias da editoria