Diário da Serra

Aluno de Tangará cria clube de astronomia para reforçar ensino de matemática aos colegas

Adilson Rosa / Seduc-MT 12/08/2019 Educação

Ele e os colegas visitam escolas da cidade para divulgar a astronomia. Levam telescópio e chegam fantasiados de astronautas

Educação

Os estudantes do Ensino Médio, Alex Moreira Cristofolini e Lais Ferreira da Cruz, protagonizam o estudo da astronomia na Escola Estadual Plena Ramon Sanches Marques, de Tangará da Serra. Eles se destacam no estudo do tema abordado na disciplina de matemática da professora Silvana Copcesk, que domina o tema com maestria. Na Escola, Alex criou o clube de astronomia, que funciona como reforço de conteúdo tendo a colega Lais como auxiliar.


Silvana explica que usa a astronomia como parâmetro. “Quando apresentei o plano cartesiano, a primeira visualização, que é a ligação com os pontos, comparei com a astronomia, mostrando as constelações. No momento do clube de astronomia, o Alex mostrou as constelações mais simples, reforçando o conteúdo”, exemplifica.


Não satisfeitos com a astronomia somente na própria escola, os dois, acompanhados da professora Silvana, visitam outras escolas da cidade para divulgar o conteúdo. Os estudantes levam telescópio e chegam fantasiados de astronautas. Com isso chamam a atenção dos alunos.

 

Alex ficou em primeiro lugar, em Cuiabá, em um concurso de astronomia, em 2018, ao construir um telescópio com material reciclado. Ainda no ano passado, ele participou do concurso de redação da Nasa, mas não foi classificado. Mesmo assim não desistiu. Neste ano, foi convidado a fazer uma palestra 12º Congresso Nacional de Astronomia e Astronáutica, em abril, no Rio de Janeiro. “Foi uma experiência única, porque não imaginei que eu, um simples aluno iria tão longe. Toda essa conquista e experiência se torna uma bela bagagem que vou levar quando sair da escola e que será de grande utilidade no futuro”.


Lais, por sua vez, relata que o seu primeiro contato com a astronomia foi na escola, quando a professora apresentou o projeto caça asteroides, cujo objetivo é o de registrar os corpos celestes. “Desse dia em diante eu tive muito interesse pelo assunto e a professora Silvana ajudou a me aprofundar mais ainda. Acredito que muitos alunos ainda não tenham despertado o interesse na astronomia também, por muitas vezes não terem a oportunidade do primeiro contato”, assinala.


Nasa - A professora Silvana Copcesk tem uma grande experiência na área -  é a primeira mulher de Mato Grosso a conhecer a Agência Espacial Americana (Nasa), em setembro de 2016. Na ocasião, acompanhou a aluna Maria Gisllany Bezerra da Silva, 18 anos.
Silvana é também a única participante do Instituto de Colaboração Internacional de Pesquisa Astronômica (Iasc na sigla em inglês). “O Iasc fornece dados astronômicos de alta qualidade para os cientistas cidadãos em todo o mundo. Eles são capazes de fazer descobertas astronômicas originais e participar da astronomia prática. Esse serviço é fornecido sem custo”, explica a professora.

Notícias da editoria