Diário da Serra

A prática de atividades de lazer em idosos institucionalizados

Tatiane Calve 19/08/2019 Artigos

Atualmente, a população idosa, no Brasil, ultrapassa o número de 30,2 milhões

Artigo

O envelhecimento é um fenômeno multifatorial, natural e irreversível dos seres vivos e que vem tendo projeção mundial devido às características do mundo moderno, como a diminuição da natalidade pelo uso de contraceptivos e o avanço da tecnologia nas áreas da saúde.


Segundo a OMS (2018), a população com idade superior a 60 anos chegará a 2 bilhões até 2050. Atualmente, a população idosa, no Brasil, ultrapassa o número de 30,2 milhões, segundo dados do IBGE (2018). Desse número, cerca de 1% da população idosa brasileira se encontra em Instituições de Longa Permanência (ILPs), devido à diminuição da capacidade funcional, cognitiva e psíquica, que aumenta a dependência e necessidade de cuidados em tempo integral.


Nas ILPs os idosos tendem a ser mais sedentários, limitando-se ao deslocamento entre quarto, refeitório e jardim e, muitas vezes, não há interação entre os colegas da instituição. Além disso, a falta da família e amigos leva o idoso ao isolamento, intensificando as comorbidades decorrentes de doenças crônicas e a incidência de depressão e problemas socioafetivos.


Diante desses fatores, faz-se necessário pensar em programas de lazer que permitam ao idoso exercitar o corpo e a mente, assim como desenvolver também as relações interpessoais.


O lazer tem papel significativo para que os idosos institucionalizados possam se divertir, socializar, compartilhar ideias e experiências, expressar seus sentimentos e expor sua criatividade.


Atividades motoras, artesanato, jogos intelectivos, jogos eletrônicos e acesso à internet são algumas possibilidades de atividades que podem ser ofertadas aos idosos institucionalizados. O uso da internet e redes sociais permite ainda que os idosos estejam sempre informados sobre os temas da atualidade e mantenham o relacionamento com os familiares e amigos.


Dessa forma, é possível afirmar que a oferta de lazer reduz danos cognitivos decorrentes do envelhecimento e promove a prevenção, manutenção e desenvolvimento dos aspectos psicomotores, sociais e cognitivos — fatores importantes para o bem-estar e qualidade de vida dos idosos residentes em ILPs.
Esse tema de grande relevância para a área do lazer e da saúde será discutido no 30º ENAREL (Encontro Nacional de Recreação e Lazer) com o tema  “Lazer e Envelhecimento na Era Digital”, que ocorrerá em Curitiba/PR, entre os dias 14 e 16 de novembro de 2019.

Tatiane Calve é professora nos cursos de Licenciatura e Bacharelado em Educação Física do Centro Universitário Internacional Uninter.



Notícias da editoria