Diário da Serra

Justiça do Trabalho prevê economizar R$ 930 mil/ano com uso de energia solar em fóruns

Só Notícias 05/09/2019 Geral
Geral

Das oito usinas inicialmente previstas para serem instaladas em prédios da Justiça do Trabalho, quatro já estão em operação nos fóruns de Várzea Grande, Tangará da Serra, Sinop e Sorriso, e totalizam uma estimativa de geração anual de cerca de 360 mil kWh, com economia aproximada de R$ 300 mil. Outras três unidades devem entrar em funcionamento até novembro (Água Boa, Barra do Garças e Primavera do Leste) e a oitava quando da conclusão das obras de construção do novo fórum de Lucas do Rio Verde, em dezembro.

 

Somadas a estas, até fim de 2019, o Tribunal  Regional do Trabalho deve concluir o processo de instalação de mais sete novos sistemas de geração de energia solar em prédios do interior, totalizando 15 unidades e geração de cerca 1.048.000 kWh, o que permitirá uma economia anual estimada de R$ 930 mil.

 

A expansão da capacidade decorre do repasse de R$ 1,1 milhão feito pelo Conselho Superior da Justiça do Trabalho (CSJT) que, em agosto, atendeu a um pedido da Administração e descentralizou os recursos para serem investidos na área. O montante vai permitir a instalação dos sistemas fotovoltaicos nas unidades de Alta Floresta, Cáceres, Colíder, Diamantino, Nova Mutum, Peixoto de Azevedo e Pontes e Lacerda. O processo de licitação das obras será realizado ainda este mês e a previsão é que a instalação seja concluída até o mês de dezembro deste ano.

 

Com a ampliação da geração em função dos novos recursos disponibilizados, a expectativa é de que a capacidade instalada seja capaz de suprir o consumo de 28 das 29 varas instaladas no Estado, o que praticamente garante a autossuficiência energética dos fóruns trabalhistas. O montante representa ainda a terça parte do total gasto com o consumo de energia elétrica da Justiça do Trabalho em Mato Grosso.

 

O investimento total previsto pelo TRT para geração de energia renovável é de aproximadamente R$ 2,9 milhões. Apesar do valor significativo, o retorno do investimento está previsto para ocorrer em apenas três anos. Como os sistemas fotovoltaicos têm vida útil de aproximadamente 25 anos, com a iniciativa o Tribunal produzirá energia elétrica a custo próximo de zero por mais 22 anos.

 

A informação é da assessoria do tribunal. Desde 2018 a administração tem adotado medidas para reduzir o impacto das contas de energia nas despesas de custeio e assim disponibilizar recursos para serem investidos em outras áreas.

Notícias da editoria