Diário da Serra

Motoristas ateiam fogo em ponte do Rio Tarumã

Fabíola Tormes / Redação DS 25/09/2019 Geral

O protesto é pelo descaso do Estado, que se arrasta desde a gestão passada

Ponte foi queimada, em protesto

A ponte de madeira do Rio Tarumã, na MT-339, que passa pelo assentamento Antônio Conselheiro, na divisa dos municípios de Tangará da Serra e Nova Olímpia, foi queimada nesta quarta-feira, 26, em protesto ao descaso do Governo do Estado.


Com estrutura precária e oferecendo risco àqueles que a utilizam diariamente, a melhoria da estrutura vem sendo reivindicada à Secretaria de Estado de Infraestrutura e Logística (Sinfra) desde a gestão passada. “Tive essa informação no final da manhã, enquanto participava inclusive da sessão na Assembleia Legislativa. Imediatamente fui a Sinfra e falei direto com o Engenheiro chefe, Nilton de Brito”, contou o deputado estadual Dr João de Matos, que acompanha o caso.


Segundo ele, ao tomar conhecimento da situação – ponte queimada – o engenheiro se comprometeu em enviar técnicos da Superintendência de Obras para avaliar o problema e buscar uma solução imediata. A ponte Tarumã é de suma importância pois está localizada em uma rodovia estadual, divide os municípios Tangará da Serra e Barra do Bugres, e liga à cidades como Salto do Céu, Rio Branco, Nova Fernandópolis, Cáceres, entre outras. Por ela passam diariamente dezenas de veículos e que agora, terão que aguardar uma solução do Estado para voltarem a utilizá-la.


MAIS REIVINDICAÇÕES – Também em relação a região, o deputado disse que recebeu nesta quarta-feira, em Cuiabá, uma comitiva de produtores e moradores do Assentamento Antônio Conselheiro e o vereador Carlinhos da Esmeralda – continuidade da reunião iniciada na terça, em Tangará. Além da Assembleia Legislativa, os tangaraenses estiveram no Incra e Sinfra, para entrega de documento com várias solicitações de melhorias para a região.
Nesta terça, em Tangará, segundo o deputado, a reunião não teve resultado proveitoso. “Não avançou muito. Então eles vieram aqui para gente ver a nível estadual, o que se consegue fazer, pois a situação deles está muito feia”.



Notícias da editoria