Diário da Serra

Chá Mila

Rosana Leite Antunes de Barros 26/09/2019 Artigos

A simpática senhora é benzedeira e faz tudo que a sua fé permite

Artigo

Morei em Rosário OesteMT, onde atuei como Defensora Pública, nos anos de 2009 a 2010. Além de se constituir em lugar com imenso “calor” humano, possui figuras ilustres e que muito fazem pelo bem da sociedade. Nas andanças, conheci a inestimável Emiliana Maria de Paula, a “Chá Mila”.


A simpática senhora é benzedeira, produz as famosas garrafadas, chás etc. Aliás, ela faz tudo que a sua fé permite, transformando ações em benfeitorias materiais e espirituais para aqueles e aquelas que a procuram. E foi lá, em Rosário Oeste, que fui acometida por uma crise de sinusite. Dias tormentosos se passaram, onde dores em cima dos olhos, que os deixavam avermelhados e tristes, me ocorreram.


Lygia Márcia, hoje advogada, mas, à época estagiária da Defensoria Pública, acompanhou o meu sofrimento com a inflamação no rosto. Ficou preocupada. Um dia, com muito jeitinho, porquanto, não possuía conhecimento quanto à minha fé, perguntou-me sobre remédios que estava tomando para alcançar a cura. Relatei que estava fazendo uso de alotrópicos. E ela, querendo tomar uma atitude em meu favor, contemporizou: “Esses remédios não estão resolvendo...”. E continuou: “Posso sugerir algo?”. E eu imediatamente respondi: “Claro. Você conhece algum remédio eficaz contra sinusite?”. Então ela afirmou: “Bom, tem uma senhora conhecida aqui em Rosário que faz garrafadas, orações etc. Gostaria de tentar?”. E lá fomos nós. Levei comigo o meu bebê, na ocasião com pouco mais de 08 meses.


Percorremos até um bairro distante no município. Todavia, não muito longe. Lá tudo é pertinho. Ao chegar, mais ou menos, 09h30min da manhã, uma senhorinha muito simpática responde ao nosso chamado, quando através das palmas anunciamos a chegada. Só o lugar onde reside “Chá Mila” já é sinônimo de paz. Ela vive rodeada de muitos tipos de plantas e flores. Árvores lindíssimas enfeitam o quintal!  A natureza é totalmente prestigiada por ela. Nem é preciso afirmar a energia maravilhosa sentida no lugar! O sorriso com o qual fomos recepcionadas foi o diferencial. Quando presenciou o bebê junto conosco de pronto o apanhou nos braços oferecendo que recebesse a sua benção. Concordei imediatamente, assegurando que o levara por esse motivo.


E quanto a mim, Lygia, que já conhecia a benzedeira, levou consigo um recipiente de vidro com tampa. Chá Mila, após a reza, confeccionou um preparado que deveria cheirar todos os dias, para abrir as vias aéreas, extirpando a inflamação. Foi possível sentir o aroma do álcool, eucalipto, alho, manjericão, e outras ervas. Claro que segui todas as instruções da minha benfeitora.  


A crise de fortes dores de cabeça nos seios da face e testa, de fato, acalmaram. A fé, energia positiva e oração foram primordiais para que me sentisse melhor daquela enfermidade. Porém, a maior felicidade foi conhecer a querida Dona Emiliana, ou, apenas “Chá Mila”.


Saí daquele local admirada e alegre em conhecer uma mulher tão especial! Chá Mila faz o bem diuturnamente, apenas rogando pelo restabelecimento daqueles e daquelas que a procuram.


Precisamos de muitas “Chá Milas” neste mundo tão infeliz e desigual...
 


Rosana Leite Antunes de Barros é defensora pública estadual.

Notícias da editoria