Diário da Serra

MATO GROSSO – Prefeitos das cidades-polo se reúnem para discutir ações conjuntas contra a Covid-19

Redação DS 30/03/2021 Saúde

Propositura conjunta será enviada ao Governo do Estado

Entre os gestores presentes, o prefeito de Tangará

Gestores de cidades polos de Mato Grosso reuniram no último domingo, 28, por videoconferência, com o objetivo de discutir ações conjuntas para o enfrentamento ao contágio pelo novo coronavírus, respeitando a realidade de cada município.

Entre os gestores presentes, o prefeito de Tangará da Serra, Vander Masson (PSDB), sensível a situação que o Estado de Mato Grosso está vivendo neste momento, em que mais de 200 pessoas estão na fila de espera por um leito de UTI para Covid-19.

Contudo, ele é contrário a penalização dos municípios, especialmente do interior do Estado.

“Pelo novo decreto, as cidades classificadas em risco Muito Alto são obrigadas a cumprir algumas normas de controle social, dentre elas, a que mais impactou, é o lockdown proposto. Nós entendemos que, apesar de Tangará não estar enquadrado neste grupo, que é muito exagero”.

Para ele, o Estado deve propor medidas restritivas, contudo sem restringir a liberdade econômica dos Municípios.

“Discordamos das medidas restritivas de lockdown”, declara,

ao afirmar que a propositura com novas medidas construídas com os gestores será enviada ao Governo do Estado e assinada pelos 11 prefeitos das cidades-polo.

Além dessas propostas conjuntas, o chefe do Executivo local afirmou que pleiteará ainda uma nova análise de dados de classificação para Tangará.

“Estamos com nossas UTIs praticamente todas utilizadas porque estamos dando suporte a outros municípios. (…) mas se fosse somente aos nossos pacientes, estaríamos em torno de 50% a 55%”, revela,

ao destacar que pedirão ao Estado uma revisão dos dados, para que o Município seja classificado como risco Moderado.

“E o que iremos argumentar junto ao Governo são desses casos de pessoas de outras cidades que estamos atendendo, socorrendo o Estado e socorrendo as pessoas e, no entanto, não podemos ser prejudicados com esse índice alto. Vou defender para que sejamos classificados como risco Moderado em relação aos pacientes de Tangará”.

Notícias da editoria