Diário da Serra

Tangará da Serra está com risco muito alto de contaminação pela Covid-19

Redação DS / SES-MT 06/04/2021 Saúde

Outras 102 cidades estão classificadas na categoria de risco alto para a contaminação do coronavírus

Saúde

A Secretaria Estadual de Saúde (SES-MT) divulgou no início da noite desta terça-feira, 6, o Boletim Informativo n° 394 com o panorama da situação epidemiológica da Covid-19 em Mato Grosso.


O documento mostra que 39 municípios registram classificação de risco muito alta para o coronavírus. São eles: Alta Floresta, Alto Paraguai, Barão de Melgaço, Brasnorte, Cáceres, Campo Novo do Parecis, Campo Verde, Canabrava do Norte, Canarana, Cláudia, Colíder, Diamantino, Guaratã do Norte, Jangada, Juara, Juscimeira, Lucas do Rio Verde, Marcelândia, Matupá, Mirassol D’ Oeste, Nova Nazaré, Novo São Joaquim, Paranaíta, Peixoto de Azevedo, Planalto da Serra, Poconé, Pontes e Lacerda, Porto Estrela, Primavera do Leste, Querência, Rondonópolis, Santa Terezinha, Santo Afonso, São José do Povo, São José do Xingu, Sapezal, Sinop, Tangará da Serra e Torixoréu.

 

Diante desta nova classificação de Risco Muito Alto, Tangará da Serra e outros 38 municípios terão que seguir algumas medidas, entre elas a quarentena coletiva obrigatória no território do Município, por períodos de 10  dias; suspensão de aulas presenciais em creches, escolas e universidades; controle do perímetro da área de contenção, por barreiras sanitárias; entre outros.

 

A Secretaria Municipal de Saúde, através de sua gestora, Gicelly Zanatta, afirmou que as medidas serão apresentadas ainda nesta noite, logo após reunião de emergência do  Comitê de Combate ao Coronavírus.


Mais

Outras 102 cidades estão classificadas na categoria de risco alto para a contaminação do coronavírus. Nenhum município foi classificado com risco moderado para a Covid-19.
 

Novo método para classificação
 

O metódo para definir a classificação de risco dos municípios foi aprimorado. A mudança foi publicada no Diário Oficial do último dia 25 de março. A partir de então, não será levado em consideração só o número absoluto dos casos dos últimos quatorze dias, mas sim a média móvel dos últimos quatorze dias.
 

Assim, o município não sofrerá uma mudança brusca de um boletim para o outro; a cidade ficará na mesma categoria por pelo menos duas semanas, conforme sua média móvel de casos.
 

Também foi aperfeiçoado o cálculo dos casos acumulados. Antes eram considerados os casos acumulados a partir do dia 1º de dezembro de 2020.  Com a nova metodologia, a análise será realizada sempre com base nos casos acumulados dos últimos 90 dias.

Notícias da editoria