Diário da Serra

RODOVIAS – Após protestos, caminhoneiros querem dialogar sobre pedágio

Redação DS 12/09/2021 Política

O protesto foi realizado por caminhoneiros e duraram três dias

Bloqueio no Trevo da Melancia

Após três dias de protestos, os manifestantes decidiram liberar a MT-358 em Tangará da Serra, na região do Anel Viário conhecida como Trevo da Melancia. O protesto foi realizado por caminhoneiros favoráveis ao presidente da república Jair Bolsonaro. Porém, em Tangará da Serra, outras causas também estiveram na pauta de reivindicações feitas pela classe.

O presidente da Associação dos Caminhoneiros de Tangará da Serra, Edgar Laurini, exaltou o patriotismo dos caminhoneiros e confirmou a liberação da via. 

“O bloqueio das rodovias foi totalmente liberado em todo o Brasil e aqui em Tangará também. Foi feito um manifesto pela liberdade. A gente acredita que nossos representantes têm que ser escolhidos com mais atenção. Nós temos percebido o presidente do Senado, presidente da Câmara Federal, cada um com opiniões adversas e desgasta saber que não estão olhando pelo povo. A gente vê com muita tristeza, mas sabemos que com o bem comum foi dado o recado que o povo precisava”, afirmou.

Além de Tangará, também foram registrados bloqueios em outras 11 cidades de Mato Grosso. No entanto, Laurini chamou atenção ainda para condições de estradas e a implantação de pedágio em Tangará da Serra.

“Nossas estradas estão um absurdo e agora vem essa privatização com preços abusivos que o pessoal não aceita. A gente sabe que os locais dos pedágios são muito complicados e a gente avalia que o engenheiro que vai fazer uma praça de pedágio tem que olhar não só o dinheiro que a empresa vai recolher, mas sim o que vai beneficiar a população”, disse,

ao citar a situação dos moradores do Joaquim do Boche, que seriam diretamente afetados, como exemplo, assim como os próprios caminhoneiros.

“Eu vejo que um caminhão de 9 eixos gastar mais R$ 500 de pedágio vai ficar muito caro cada viagem e menos lucro para nós”, concluiu,

ao manifestar desejo de dialogar com autoridades regionais.



Notícias da editoria