Diário da Serra

PROJETO APROVADO – Cobrança de água residencial terá tarifa variável em Tangará

Fabíola Tormes / Redação DS 06/10/2021 Política

Cobrança será realizada pelo volume de água utilizado no imóvel

Política

A Câmara Municipal aprovou na tarde da última terça-feira, 5 de outubro, o Projeto de Lei 132/2021, que institui a cobrança de tarifa variável de água residencial em Tangará da Serra. A propositura, de autoria do Executivo Municipal, foi aprovada por unanimidade pelos vereadores, durante sessão ordinária.

O objetivo é instituir a cobrança de tarifa variável de água residencial no município de Tangará da Serra, válida enquanto perdurar o período de estiagem, para as unidades consumidoras na faixa de consumo de até 10 metros cúbicos, sendo a cobrança realizada pelo volume de água utilizado no imóvel.

“Como não estamos tendo um fornecimento 100%, todos os dias, por conta do racionamento, a Administração entendeu que não é justo fazer a cobrança com a tarifa cheia de 10 metros cúbicos”, declarou o diretor do Serviço Autônomo Municipal de Água e Esgoto (Samae), Heliton Oliveira,

ao destacar que no Município são atendidas um total de 34.289 unidades consumidoras, sendo que, neste total, uma média de 17.214 unidades consomem menos de 10 metros cúbicos, ou seja, corresponde a um percentual de 50,20% das unidades consumidoras atendidas.

“E agora, nesta nova regra, proposta e aprovada pelo Projeto de Lei, a pessoa vai pagar exatamente o que foi consumido”, completa.

O metro cúbico de água residencial em Tangará da Serra é R$ 2,22.

“A pessoa que gasta um metro cúbico vai pagar dois reais e vinte e dois centavos referente a taxa de água e na cobrança antiga ela pagava vinte e dois e vinte, que era a tarifa mínima”, explica,

ao ressaltar que trata-se de uma ação urgente neste período para que a cobrança da tarifa de água seja pelo consumo efetivo.

Contudo, explica Leto, a taxa de esgoto que era cobrada pelo consumo de água, seguirá tabela normal.

“Não vai ser cobrado de forma diferenciada. Será cobrada em cima da tarifa mínima de até 10 metros cúbicos. Se passar, também será enquadrado na tabela normal”.

O projeto de lei segue para sanção do Executivo Municipal e passará a valer a partir do próximo ciclo de leitura.



Notícias da editoria