Diário da Serra

Justiça Eleitoral confirma Horácio na vaga de Bandeira na Câmara de Tangará da Serra

Sergio Roberto / Enfoque Business 05/11/2021 Política

O nome do novo vereador já consta no sistema do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), consolidando a segunda vaga do PSL no Legislativo tangaraense

Política

A Justiça Eleitoral confirmou nesta sexta-feira, 5, que o suplente de vereador Horácio Gomes Pereira, do Partido Social de Liberal (PSL), na vaga do vereador impugnado vereador José de Almeida Bandeira, popular “Dr. Bandeira”, do PDT, na Câmara Municipal de Tangará da Serra.

Segundo informações, a Câmara Municipal já foi notificada da mudança na composição, com o vereador já podendo participar da sessão ordinária da próxima terça-feira, 9.

O nome do novo vereador já consta no sistema do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), consolidando a segunda vaga do PSL no Legislativo tangaraense, resultado da maior sobra de votos no pleito de 15 de novembro. Horácio Pereira – que atuará ao lado do vereador Eduardo Sanches – obteve 551 votos no pleito municipal do ano passado.Sendo assim, o PDT perde sua única vaga no parlamento municipal tangaraense, enquanto o PSL passa a contar com duas cadeiras.

Impugnação

Bandeira foi declarado inelegível pela corte eleitoral no último mês de abril ( processo RE 60091445) por força de sua demissão do serviço público em janeiro de 2020, através de processo administrativo. Com a demissão, Bandeira fica inelegível, mas tal informação não constou em seu registro de candidatura, motivando a impugnação por inelegibilidade.

A impugnação obedece ao disposto no artigo 195 da Resolução 23.611/2019, conforme amplamente divulgado pelo Enfoque Business.

Médico concursado pelo município, Dr. Bandeira também atuava em Nova Olímpia e teve de optar por um dos cargos. Escolheu o cargo em Tangará da Serra, mas um processo administrativo teve sequência mesmo após a opção do médico e o resultando foi sua demissão.

O médico recorreu do processo administrativo na Justiça Comum e também já interpôs recurso no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) para tentar reverter a decisão.

Notícias da editoria