Diário da Serra

ABASTECIMENTO – Caminhões-pipa reforçam enfrentamento à seca em Tangará da Serra

Fabíola Tormes / Redação DS 21/11/2021 Geral

Caminhões trazem água do Sepotuba para ETA; outros abastecem bairros

Geral

Cinco caminhões-pipa foram contratados pelo Serviço Autônomo Municipal de Água e Esgoto (Samae) para reforçar o enfrentamento à crise hídrica que novamente está assolando o Município de Tangará da Serra.

Os caminhões começaram a atuar neste domingo, dia 21, no abastecimento de água à população. A exemplo do que aconteceu em 2016 e 2020, em graves crises hídricas vivenciadas no município, os caminhões estão trazendo água do Rio Sepotuba para tratamento pela Estação de Captação, Tratamento e Distribuição de Água (ETA) Queima Pé.

“Água bruta do Sepotuba para a Estação de Água e Tratamento. Essa é a ação de hoje”,
resume o diretor da autarquia, Heliton Luiz Oliveira, explicando que outros veículos ainda reforçam o abastecimento nos bairros, enchendo reservatórios no chão.

No sábado, por exemplo, a complementação, conforme cronograma, foi no Jardim Califórnia e nesta segunda-feira, caso necessário, no Tarumã.

“Onde não abastecer no Tarumã [através da rede de abastecimento], amanhã [segunda-feira], entra com caminhão complementando”.

Ainda nesta semana, segundo Leto, outros veículos enviados pela Defesa Civil Estadual chegarão ao Município para reforçar o trabalho de captação de água bruta do Sepotuba para a Estação de Tratamento. Os caminhões ficarão a disposição do Samae até que as chuvas se reestabeleçam e a represa volta ao nível satisfatório.

RACIONAMENTO

A crise do abastecimento de água se agravou em Tangará da Serra no final de semana passado, levando a autarquia a anunciar o endurecimento das ações de racionamento de água do Município, na última terça-feira, dia 16 de novembro.

Na ocasião, o diretor informou que a represa Sitna, a primeira a receber água bruta na ETA da cidade, estava praticamente seca, apenas com um fio d’água que vem do Queima Pé e dos córregos Figueira e Uberabinha, que a abastecem. Nem mesmo a contribuição do rio Russo tem amenizado o grave problema.

No decorrer da semana o problema se agravou ainda mais, ocasionando diminuição nos dias de abastecimento e a inclusão de caminhões-pipa nos bairros para a complementação.



Notícias da editoria