Diário da Serra

30 DIAS – Audiência abre período para consulta sobre estudos ambientais de hidrelétricas no Formoso

Sergio Roberto / Enfoque Business 24/11/2021 Geral

Sociedade terá 30 dias para encaminhar suas manifestações

Audiência pública é uma das etapas do processo

A audiência pública promovida na terça-feira, 23, pela Secretaria de Estado de Meio Ambiente (Sema-MT) para apresentação do EIA-RIMA dos projetos das Pequenas Centrais Hidrelétricas (PCHs) Formoso I, II e III, no rio de mesmo nome, em Tangará da Serra, deu início a um período de 30 dias de consulta pública para apreciação dos Estudos Ambientais realizados por equipe técnica multidisciplinar para os referidos empreendimentos.

A divulgação da realização da Audiência foi feita via publicação no Diário Oficial, bem como, amplamente divulgada por meio de carro de som, rádio, distribuição de panfletos e faixas em três principais pontos de circulação.

Rito essencial no processo de licenciamento ambiental, a audiência pública foi realizada pela manhã, na modalidade remota, a partir da capital, Cuiabá, com transmissão ao vivo pelo YouTube da Sema e do Empreendedor e retransmissão em dois ambientes com telões interativos montados em Tangará da Serra, no auditório da Associação Comercial e Empresarial (ACITS) e no Hotel Colibri.

A partir de agora, a sociedade terá 30 dias para encaminhar suas manifestações acerca dos projetos dos empreendimentos, sob responsabilidade da Itamarati Norte SA Agropecuária – empresa da Brennand Investimentos.

Estas manifestações podem ser encaminhadas por áudio, por vídeo, por escrito, através dos e-mails da Sema-MT e da Brennand Investimentos (faleconosco@brennandenergia.com.br).

Os projetos das três pequenas centrais hidrelétricas preveem investimentos na ordem de R$ 513 milhões, com potência instalada de 53 MW. A divisão em três unidades é motivada por questões de relevo, geologia, hidrologia, entre outros fatores ambientais e técnicos.

Também há projeção de 1.500 empregos diretos e indiretos na fase de construção. Haverá, ainda, execução de projetos de recuperação da vegetação nativa no entorno das áreas dos empreendimentos, com destaque para as APPs, entre outros programas socioambientais.

Notícias da editoria