Diário da Serra

MATO GROSSO – Alunos de escolas públicas terão acesso gratuito a livro sobre a vida de Marechal Rondon

Assessoria ALMT 18/05/2022 Educação

Com 128 páginas, livro retrata aspectos da vida do Marechal Rondon

Livro de autoria do pesquisador Maurício Meneses

Alunos de escolas públicas terão acesso gratuito a livro sobre a vida de Marechal Rondon

Por intermédio de emenda parlamentar de autoria da deputada estadual Janaina Riva (MDB), alunos de escolas públicas de Mato Grosso terão acesso gratuitamente ao livro “Rondon, o marechal da paz – A vida de um herói nacional contada por meio da Filatelia”, de autoria do pesquisador e cidadão cuiabano, Maurício Melo Meneses. O livro, cuja edição foi lançada pela Editora Mackenzie nesta terça-feira, 17 de maio, em São Paulo, já tem lançamento marcado em Cuiabá para a próxima semana (24 de maio), às 19 horas, no Teatro Zulmira Canavarros.

A emenda destinada pela parlamentar à Secretaria de Estado de Educação, no valor de R$ 100 mil, vai permitir que a obra seja disponibilizada em todas as  escolas públicas estaduais de Mato Grosso.

“Marechal Rondon foi imprescindível no reconhecimento territorial de Mato Grosso e faz parte da nossa história. Por isso é tão importante que nossos alunos tenham acesso a essa obra riquíssima que contou com a dedicação de quase uma década do autor. Para quem não sabe, além de desbravador e fundamental para a comunicação, cujo lema era ‘integrar para não entregar’, Rondon foi o idealizador do parque nacional do Xingu para preservar tribos indígenas”,
diz Janaina.
  • Sobre o Livro:

Com 128 páginas, leitura agradável e instigante, a obra, lançada pela Editora Mackenzie, é ricamente ilustrada por selos que retratam aspectos da vida do Marechal Rondon, dos períodos nos quais realizou seu grande trabalho que entrou para a história do Brasil. Entre tantas análises, o autor qualifica Rondon como o mais importante personagem cuiabano para a história do Brasil. A influência familiar foi decisiva para a composição do livro, visto que seu sogro, Ramis Bucair, manteve o Museu de Pedras, que abrigava um acervo sobre o militar indigenista. O grande legado são os valores positivistas “amor, ordem e progresso”, devidamente apropriados pela Bandeira Nacional, além, é claro, de uma paixão pela pesquisa científica empírica. Imagens e textos harmonizam-se e se complementam, propiciando que o leitor conheça a vida do importante personagem de maneira lúdica, informativa e didática.

Na introdução, o autor salienta que falar de Cândido Mariano da Silva Rondon é essencialmente fazer alusão a um herói nacional.

“Marechal Rondon, como é popularmente conhecido, é um exemplo de vida e padrão de civismo para todos os brasileiros”.

Ressaltando que o biografado foi indicado ao Prêmio Nobel da Paz pelo físico Albert Einstein, revela que, em 2015, por meio da Lei 13.141, seu nome foi inserido no Livro dos Heróis e Heroínas da Pátria.

O livro traz depoimentos de várias personalidades, que acrescentam relatos sobre a vida de Rondon, reforçando a importância e o caráter inusitado da obra de Maurício Meneses: General de Divisão Floriano Peixoto Vieira Neto, presidente da Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos; General de Brigada Paulo A. B. Valença, chefe do Estado Maior do Comando Militar do Sudeste, de 2017 a 2019; Ives Gandra da Silva Martins, professor emérito da Universidade Presbiteriana Mackenzie; Nelson Câmara, presidente da Academia Mackenzista de Letras; e o jornalista e cineasta Cacá de Souza.

Na contracapa do livro, há frases relevantes de personalidades brasileiras e estrangeiras, a começar por Theodore Roosevelt, ex-presidente norte-americano e integrante da Expedição Roosevelt-Rondon:

“Rondon, como homem, tem todas as virtudes de um sacerdote, é um puritano de uma perfeição inimaginável na época moderna. E como profissional é tamanho cientista, tão grande é o seu conjunto de conhecimentos, que se poderia considerar um sábio”.

Livro retrata a vida do Marechal da paz

O livro de Maurício Meneses reflete cada uma dessas e muitas outras visões que se pode ter de Rondon, um herói sui generis, que, para não matar, nem deixar que se matasse um só homem, preferiu encarar 100 vezes a morte.

“Apresentamos aos leitores uma biografia única do Marechal Rondon, que não pretende ser exaustiva nem extremamente detalhada, mas almeja ser marcante em cada uma de suas páginas”.

Militar, sertanista, indigenista e professor, Rondon foi imortalizado à frente da Comissão Construtora de Linhas Telegráficas. De 1927 a 1930, Rondon foi o responsável por inspecionar as fronteiras brasileiras, do extremo norte do país até as divisas com Argentina e Uruguai.

Uma das consequências deste trabalho, deu a Rondon outro dos apostos pelo qual é mundialmente conhecido: o de “mais importante registrador de etnias indígenas do Brasil”.

Em sua obra, Maurício Meneses apresenta as características que fizeram com que o biografado não apenas localizasse, mas integrasse ao território brasileiro, de maneira pacífica, muitas das nações que contatou.

É o que faz este Rondon: o marechal da paz.



Notícias da editoria