Diário da Serra

DO SAMAE – Morador do Tarumã reclama de sujeira na água distribuída na rede

Redação DS 05/10/2020 Geral

Reclamação é da qualidade da água distribuída pelo Samae

Lama no fundo da caixa d’água

Há muitos dias a população de Tangará da Serra utiliza as redes sociais para reclamar do fornecimento de água por parte do Serviço Autônomo de Água e Esgoto de Tangará da Serra (Samae).


A reclamação de que a água não está sendo distribuída durante o período diurno, chegando só de madrugada e em alguns locais insuficiente para encher os reservatórios e muitos já tiveram problemas de desabastecimento. A solução encontrada por muitos foi a instalação de caixas d’água no nível do chão, onde mesmo sem pressão chega em alguns momentos.


Agora a reclamação também é outra. Um morador da Jardim Tarumã chamou a reportagem do DS para denunciar a qualidade da água distribuída pelo Samae, que reserva no fundo da caixa uma lama gosmenta.


Muito irritado, o morador pediu para não ser identificado, mas se prontificou em atender os técnicos do Samae para averiguar a qualidade e resolver o problema. Há quem afirme que o Samae já está tratando água lodosa e que dias piores ainda estão por vir no abastecimento.


Sobre a situação, procuramos a autarquia, que nos informou que foi interligado na rede de distribuição de água do Tarumã um poço artesiano, que foi feito na Sagrado Coração de Jesus. “Pode ser que esse poço, em algum período, tenha sugado terra, sugado algumas coisas de dentro dele, e tenha colocado na rede e chegado na casa do cidadão”, explicou Hugo Leonardo Moreno.


Já em relação ao abastecimento, ele afirmou que o problema está relacionado ao alto consumo. “Temos água suficiente para aguentar 40, 60 dias sem chover no Rio Queima Pé. As represas estão abastecidas, o problema é a Estação de Tratamento de Água que produz 340 litros por segundo e tínhamos que produzir hoje, para não faltar água em Tangará, 420, 430 litros por segundo. Nossa ETA não aguenta e o consumo praticamente dobra nesta época”, explica. “Estamos sim com deficit de distribuição de água, não podemos nos furtar disso, mas pelo alto consumo. No nosso rio, água vai ter para passarmos o mês de outubro com tranquilidade”.

Notícias da editoria