Diário da Serra

Polícia trabalha com duas linhas de investigação para esclarecer crime que vitimou o servidor Edinho

Sergio Roberto / Enfoque Business 09/11/2020 Polícia

As investigações em torno do crime consideram as hipóteses de latrocínio e execução

Polícia

São duas as linhas de investigações seguidas pela Polícia em relação ao crime que tirou a vida do servidor público municipal Edson Vicente da Costa, popular Edinho, de 52 anos, na noite da última sexta-feira, 6.


Após participar de um evento político na cidade, Edinho chegava em sua residência, por volta das 22h, no Jardim Itália, quando foi surpreendido por um bandido armado, escondido na garagem. O servidor estava em sua motocicleta Honda Bros e foi alvejado por quatro disparos, sendo atingido na cabeça, tórax e braços. Ele foi encontrado pela esposa, que chegou à residência, no carro da família, logo após o ataque.
 

Vizinhos ouviram os disparos e acionaram a Polícia Militar via 190. Edinho chegou a ser socorrido pelo Samu, mas não resistiu e veio a óbito logo em seguida.
 

Em entrevista concedida na manhã desta segunda-feira à Rádio Serra FM, o titular do 19º Batalhão de Polícia Militar de Tangará da Serra, Coronel PM Vanilson da Silva Moraes, confirmou que as investigações em torno do crime consideram as hipóteses de latrocínio e execução.
 

O oficial da PM disse que há muitas dúvidas em relação ao homicídio. Não há imagens de câmeras nas proximidades e, por enquanto, não se sabe se o criminoso agiu sozinho ou contou com apoio de comparsas, tampouco se a vítima reagiu antes de ser alvejada. “Chama a atenção a quantidade de disparos contra a vítima”, observou o Coronel da PM.
 

Outra dúvida se impõe sobre o comportamento do autor dos disparos, que usou a moto de Edinho para fugir, não subtraindo nada além do veículo. “Ainda não sabemos se a moto foi usada pelo autor do crime apenas para se evadir do local, ou se a sua intenção era, de fato, roubar a motocicleta”, acrescentou Moraes.
 

A Polícia Judiciária Civil trabalha no caso desde a noite de sexta-feira, assim como o serviço de inteligência da Polícia Militar.
 

Em meio a um clima de grande comoção, o corpo de Edinho foi velado durante o sábado na sede do clube ‘La Comuna’, do qual era um dos fundadores e associado dos mais atuantes. Ele foi sepultado ainda ao final da tarde de sábado, no Cemitério Jardim da Paz.

Notícias da editoria