Diário da Serra

Educação infantil em tempos de Eventualidade: Desafios, adequações e novas possibilidades

Rosane Rocha 17/11/2020 Artigos

Esse é um momento de muita união entre a escola e a família, que devem encontrar o caminho juntos

Artigos

Há pouco mais de três meses, diríamos que, ensinar e aprender, realizar atividades pedagógicas, construir conhecimentos, participar de rodas de conversa para discutir ideias e partilhar sentimentos, se tratava de propostas exclusivamente presenciais para as crianças pequenas da Educação Infantil.


Diante do atual cenário em que estamos inseridos hoje, essas atividades são frequentes em nossos roteiros de estudo e nas rodas de conversa on-line.


O ensino remoto para a Educação Infantil, antes incabível, fez-se necessário face à conjuntura de pandemia em nosso país. Tivemos, então, muitos desafios pela frente, adequações precisaram ser feitas e a busca por novas possibilidades foi constante para nós, educadores. Procuramos nos reinventar e a partir do trabalho colaborativo. A equipe de docentes  refez caminhos e, por meio de novas ferramentas, garantiu aos estudantes da Educação Infantil, continuar desenvolvendo suas habilidades a partir de atividades educativas, preparadas com base nos Objetivos de aprendizagem de nossa Matriz Curricular, com as adequações que o novo contexto requeria.


A escola tem feito uma série de ações para se adaptar a este novo momento e mais do que isso, manter o vínculo com os alunos. “Para nós é um desafio, pois na educação infantil trabalhamos muito com a interação e como interagir à distância?


Para a educação infantil, as recomendações para creche e pré-escola, neste momento de pandemia, é que busquem a aproximação virtual dos professores com as famílias para estreitar vínculos; e que as atividades sejam lúdicas, para que as crianças pequenas se desenvolvam brincando.


Na fase pré-escolar, oferecer atividades divertidas, desafiadoras e manter a rotina normal dos pequenos é mais importante do que fazer lição.


Um dos segredos é apostar na parceria com a família, ter uma conversa aberta e franca sobre o momento que estamos passando e uma orientação de como conduzir as atividades e a importância dela para o desenvolvimento cognitivo da criança.


Muitos podem imaginar que tudo estará resolvido com a reabertura das escolas, mas a verdade é que essa será mais uma mudança na vida das crianças. Depois de meses em casa, elas terão que voltar à rotina de acordar cedo, ficar boa parte do dia distante dos pais e a se relacionar fisicamente com professores e colegas em um cenário que ainda exigirá cuidados de prevenção ao vírus.


Esse é um momento de muita união entre a escola e a família, que devem encontrar o caminho juntos, mantendo a tranquilidade em prol do desenvolvimento das crianças.


Professora – ROSANE ROCHA /PEDAGOGA

Notícias da editoria