Diário da Serra

Cidade buscará água no rio Russo para reforçar tratamento e distribuição na ETA Queima Pé

Sergio Roberto / Enfoque Business 30/11/2020 Geral

Objetivo é recuperar em parte a capacidade de captação, tratamento e distribuição de água na cidade

Geral

Diante da uma crise hídrica sem precedentes no município de Tangará da Serra, a prefeitura local prepara um sistema de transposição de água do rio Russo para reforçar a vazão do rio Queima Pé e, assim, recuperar em parte a capacidade de captação, tratamento e distribuição na cidade.


Segundo o Executivo local, a empresa Usinas Itamarati (UISA) formalizou o empréstimo de canos, bombas e outros equipamentos para serem utilizados na transposição. O transporte dos tubos e dos equipamentos já foi realizado e os trabalhos da transposição iniciam na sequência.
 

Percurso - O rio Russo fica a cerca de 16 quilômetros do perímetro urbano de Tangará da Serra e a aproximadamente 12 quilômetros da Estação de Captação, Tratamento e Distribuição de Água da cidade (ETA Queima Pé).
 

Situação - Rios com vazão baixa, reservatórios muito abaixo do nível ou praticamente secos, desabastecimento de água. Este tem sido o quadro em praticamente toda a metade sul de Mato Grosso neste final de mês de novembro.
 

Trata-se de um reflexo nefasto da estiagem severa que se abate na região, configurando-se numa grave crise hídrica e influenciando fortemente no abastecimento de água das cidades. Em Tangará da Serra, a situação é crítica ao ponto de obrigar o Serviço Autônomo Municipal de Água e Esgoto (Samae) a lançar mão de caminhões-pipas para complementar o abastecimento. Na última semana, em razão do colapso no abastecimento de água, passou a vigorar no município decreto de ‘situação de emergência’.
 

Segundo informações da autarquia, com o baixo nível dos reservatórios, a ETA Queima Pé consegue alcançar uma produção ao redor de 120 litros por segundo, ante uma demanda normal de 320 litros.

Notícias da editoria