Diário da Serra

TANGARÁ – No Dia Mundial de combate a Aids, CTA/SAE alerta para prevenção, diagnóstico e tratamento da doença

Fabíola Tormes / Redação DS 01/12/2020 Saúde

Atualmente 850 pacientes de toda a região fazem acompanhamento

Dia Mundial Contra a Aids

Nesta terça-feira, dia 1º de dezembro, foi lembrado o Dia Mundial Contra a Aids. Para marcar a data, além do trabalho contínuo que realizam, o Centro de Testagem e Aconselhamento / Serviço de Atenção Especializado (CTA/SAE) de Tangará da Serra realizou um bate papo online com profissionais da área de saúde, entre outras pessoas, para alertar da importância da prevenção e do diagnóstico precoce, além do tratamento aos casos positivos, especialmente neste ano em que a pandemia do novo coronavírus tem afetado a procura por exames e principalmente afastado portadores do HIV das unidades de saúde.


De acordo com a coordenadora do CTA/SAE de Tangará da Serra, Cláudia Cunha de Oliveira, atualmente 850 pacientes de toda a região estão cadastrados e fazem acompanhamento. “O portador do HIV entra como uma doença crônica e tenho que acompanhá-lo e fazer exame de controle, e ele, faz o uso de uma medicação contínua, todos os dias”, afirma, ao explicar que destes, somente 18 são novos casos. O número é considerado baixo, se comparado ao do ano passado, em que foram diagnosticados cerca de 41 casos novos em Tangará da Serra e região.


Esses dados, segundo Cunha, acendem uma alerta por representar uma diminuição nos protocolos de testagem, e consequentemente nos diagnósticos precoces que permite um tratamento mais eficaz com garantia de maior qualidade de vida para os portadores. “É lógico que, diante da pandemia, teve uma mudança muito grande no fluxo e hábito de vida da população, mas a gente teve um número muito menor de testes rápidos realizados este ano”, cita.


Em razão disso, a coordenadora afirma que a equipe teve que se adaptar aos novos tempos, mudando também a forma de trabalhar. Entre as mudanças, Cunha destaca a disponibilização do autoteste para pessoas que tenham tido exposição de risco ou que tenham medo de ir ao CTA/SAE por preconceito. Esses podem solicitar a retirada de seu autoteste, para que a mesma faça no lugar que desejar. “Esse ano o perfil do trabalho tem sido diferente, mas sabemos que os casos existem, por isso temos trabalhado, tentando fazer a busca desses casos, para que o diagnóstico não seja tardio”.


Vale ressaltar que em Mato Grosso, este ano, foram notificados até agora 650 novos casos, sendo 412 portadores do vírus HIV e 238 com manifestação da AIDS, conforme levantamento da Secretaria de Saúde do Estado. Os números representam uma queda de mais da metade em relação ao ano passado quando foram contabilizados 1467 casos.



Notícias da editoria