Diário da Serra

'Ele não apanhou de graça', diz jovem que aparece em vídeo espancando homem para cobrar dívida de R$ 500

G1MT 07/12/2020 Polícia

"Realmente foi por causa de dinheiro. O rapaz da filmagem, que foi prejudicado, não apanhou de graça, isso todo mundo sabe", afirma Gustavo Albanez, em novo vídeo, antes de pedir desculpas

Polícia

O jovem que aparece em uma filmagem espancando um homem, dentro de uma oficina mecânica em Tangará da Serra, para cobrar uma dívida de R$ 500, fez um novo vídeo nas redes sociais pedindo desculpas pela situação.


A agressão aconteceu na quinta-feira, 3, mas só chegou até a polícia no sábado, 5, após a gravação viralizar nas redes sociais. A cena foi filmada por outra pessoa, que também fazia ameaças enquanto gravava.


No novo vídeo em que Gustavo Henrique Albanez se retrata, ele começa se identificando e confirmando que é o jovem que aparece nas imagens agredindo o trabalhador. Depois disso, fala sobre o motivo da agressão. "Realmente foi por causa de dinheiro. O rapaz da filmagem, que foi prejudicado, não apanhou de graça, isso todo mundo sabe. Ele apanhou porque fez alguma coisa", afirma no vídeo.


Em seguida, Gustavo admite que errou e pede desculpa. "Nada justifica ter feito o que eu fiz, ainda mais ter gravado. Ele (a vítima) não reagiu, mas não foi porque tinha pessoas armadas, nem nada. Ele pode comprovar isso. Não tinha ninguém armado, não tinha um monte de gente, foi apenas eu e ele. E ele não reagiu, porque sabe que estava errado. Mas eu não tenho como justificar um erro com outro", diz em outro trecho da postagem.


A Polícia Civil investiga o caso e ainda não localizou os envolvidos.
 

O caso
 

O video começou a viralizar neste fim de semana. Nas imagens, Gustavo aparece bebendo uma cerveja e dá socos e tapas na vítima, perguntando sobre uma dívida.


Além disso, faz ameaças e chega a quebrar uma garrafa na cabeça do rapaz. A vítima não reagiu em nenhum momento.
 

O delegado Adil Pinheiro, que acompanha o caso, disse que o inquérito foi instaurado no sábado, 5, e que, caso sejam condenados, os envolvidos podem pegar de dois a oito anos de prisão. "Estamos instaurando um inquérito policial de tortura, tanto pela pessoa que aparece batendo, agredindo a vítima, quanto pelo que filma", afirma.
 

A polícia ainda suspeita que os dois agressores tenham saído da cidade e recomenda que eles se apresentem à delegacia pois correm o risco de moradores quererem fazer justiça com as próprias mãos, já que o vídeo teve grande repercussão nas redes sociais.

Notícias da editoria