Diário da Serra

HOMENAGEM – Professor Adavilso Parpinelli ensinou em sala de aula e fora dela

Redação DS 20/01/2021 Memória

A Missa de Sétimo Dia será neste sábado, 23, às 19h

Professor Adavilso Aparecido Parpinelli

Professor Adavilso Parpinelli  ensinou em sala de aula e fora dela

Tangará da Serra perdeu no sábado, dia 16 de janeiro de 2021, entre tantos outros que nos deixaram vitimados pelo Covid-19, uma personalidade com 39 anos de profunda relação com a comunidade  tangaraense, na sala de aula, no setor público, no terceiro setor, mas, principalmente, na preocupação com o próximo e seu bem estar.


Professor Adavilso Aparecido Parpinelli, profissão pela qual se notabilizou e transmitiu conhecimento para gerações de pessoas aqui em Tangará da Serra, nasceu no dia 8 de setembro de 1953 na cidade de Junqueirópolis em São Paulo, filho do seu Valério e Dona Luzia Parpinelli, o mais velho de cinco irmãos.


Em 1974 se formou em Matemática na cidade de Dracena em São Paulo, passou um período como professor em Navirai, no Mato Grosso do Sul, e depois transferiu-se para São Paulo, capital, onde pretendia cursar Engenharia, mas acabou atuando como professor em colégios particulares.


Em 1982 retornou a Dracena para conhecer e se casar com a Rosalina Peres Parpinelli e ouvindo amigos que falavam bem de Tangará da Serra os dois ainda jovens aqui chegaram no mesmo ano e estabeleceram-se no Distrito de Progresso, onde moraram por dois anos e davam aulas na Escola Patriarca da Independência, mas assustados com a debandada de famílias para Rondônia, em 1984, resolveram fixar residência na cidade de Tangará da Serra.


Aqui passaram a lecionar na Escola Estadual 13 de Maio, onde permaneceram por mais de dez anos. Tiveram aqui também o nascimento da filha Tatiana, em 1985, e integraram-se de vez na comunidade com a oportunidade de trabalhar por mais de vinte anos na Atec, dez anos na Unitas/Unic e por último como perito criminal por quase dez anos, depois de passar em novo concurso e assumir o cargo em 11 de março de 2011.


Como professor, Adavilso trabalhou trinta anos só em Tangará da Serra e muitos profissionais que estão hoje no mercado de trabalho foram orientados por ele e exercem carreiras de sucesso. Em algumas famílias, mais de uma geração de pessoas receberam ensinamentos do Adavilso.


O Professor Adavilso como era conhecido, embora já estivesse afastado há dez anos das salas de aula, teve uma relação bem intensa com a comunidade, tanto no setor público quanto no terceiro setor. No público foi Secretário de Educação do Município durante a gestão do Prefeito Manoel Ferreira de Andrade, período em que a educação municipal passou a sofrer expressivas modificações com a construção de novas escolas, capacitação de professores e outros feitos importantes.


Foi membro atuante do Rotary Clube Tangará da Serra, onde inclusive assumiu a presidência no ano rotário 94/95 e é detentor de uma das maiores honrarias da instituição que é o título de “Companheiro Paul Harris”. Foi membro atuante da Maçonaria através da Loja Maçônica 13 de Maio onde chegou a colar o grau 33. Também atuou como campista dentro da Igreja Católica.


Apesar da sua intensa participação na comunidade, o Professor Adavilso tinha uma preocupação com o bem estar do seu próximo, envolvendo-se em movimentos que visavam corrigir distorções ou ajudar essas pessoas, simplesmente como contribuinte ou articulando grupos de voluntários para trabalhar nesse sentido.


Ele deixa esposa, uma filha e dois netos.


A Missa de Sétimo Dia ocorrerá neste sábado, 23, às 19h, na Igreja Matriz de Tangará da Serra.


PESQUISAS – Adavilso também contribuiu com o DS

Além das suas atividades na área educacional, o Professor Adavilso também era apaixonado por pesquisas, especialmente as eleitorais e sempre ajudou amigos que envolviam-se na política, realizando trabalhos voluntários para apurar suas posições nos mais diversos pleitos.


Há alguns anos voluntariou-se ao trabalho que nós implantamos aqui no Diário da Serra, coordenando as atividades de pesquisa que passamos a realizar no campo eleitoral com a finalidade de conhecer a intenção de voto do eleitorado tangaraense para posterior divulgação no jornal, até como forma de regrar, com informações seguras e corretas, a realidade dos cargos em disputa.


No ano que passou ampliamos ainda mais essa parceria realizando o mesmo trabalho em diversas outras cidades da região. “O Professor Adavilso era um profundo conhecedor da atividade e foi muito importante para o sucesso que alcançamos nos trabalhos realizados. Perdemos um grande profissional e um grande amigo pessoal”, afirmou Mano Reski, diretor do DS.
 



Notícias da editoria