Diário da Serra

AÇÃO RÁPIDA – Acusados de roubo em Deciolândia são presos pela PJC em Tangará

Redação DS / Tangará em Foco 20/01/2021 Polícia

A ocorrência foi registrada no dia 18 de janeiro, em um bar em Deciolândia

Produtos recuperados

A Polícia Judiciária Civil de Tangará da Serra desmontou um esquema de roubos e tráfico de drogas que vinha sendo operacionalizado por um grupo de criminosos, suspeitos de envolvimento em uma ação ocorrida no Distrito de Deciolândia.


A ocorrência foi registrada no dia 18 de janeiro, em um bar em Deciolândia, onde cerca de 17 vítimas foram rendidas e agredidas pelos suspeitos. “Eles tinham a intenção de roubar tanto o dono do estabelecimento, que segundo os bandidos tinha correntes de ouro e outros itens, como também roubaram as vítimas presentes”, explicou o Delegado Adil Pinheiro, que coordenou as investigações.


Ao dar início às diligências naquela região, os policiais obtiveram a informação que os envolvidos seriam de Tangará e que já estariam escondidos na cidade. Um dos suspeitos foi rapidamente identificado e preso no Jardim Bela Vista.


Ao chegarem no local, se depararam com o suspeito de posse de um dos relógios e parte do dinheiro que teria sido roubado das vítimas. Com a informação de que outros suspeitos estariam no Jardim San Diego, a guarnição da Polícia Civil se deslocou até o local, quando dois suspeitos pularam o muro da residência, nesse momento um deles foi detido e com ele, encontrada uma barra de maconha.


Na residência os policiais encontraram um similar de pistola que teria sido utilizado no roubo, 10 munições calibre 38 intactas, uma balança de precisão, diversos pertences das vítimas, celulares, correntes, relógios, além de documentos pessoas, dois televisores de LED, duas caixas de som, uma bicicleta e uma motocicleta, utilizada para a comercialização de entorpecentes.


Os dois suspeitos foram presos e autuados por roubo, tráfico de drogas e associação criminosa. Eles já tem passagem pela polícia e, segundo o delegado, deixaram a cadeia recentemente. “Eles agiram com extrema crueldade, inclusive quebrando costelas do dono do bar, de tanto que espancaram”.


Os outros dois suspeitos ainda estão foragidos.
 

Notícias da editoria