Diário da Serra

Mais de 8 mil bebês nascidos em 2020 em MT são filhos de adolescentes

José Pereira / TV Centro América 23/02/2021 Geral

Levantamento da Secretaria Estadual de Saúde abrange gravidez até os 19 anos.

Geral

Um total de 8.544 bebês que nasceram em Mato Grosso em 2020 são filhos de adolescentes e de meninas com apenas 10 anos de idade, de acordo com dados da Secretaria Estadual de Saúde (SES).


Mas, assim como o número de nascimentos gerais, o levantamento o aponta queda nos nascimentos de bebês de mães adolescentes, em comparação com o ano anterior.
 

Em 2019, de acordo com a SES, 9.403 bebês nascidos em Mato Grosso eram de mães entre 10 e 19 anos.
 

A gravidez e maternidade na adolescência preocupa os especialistas, não só pela falta de maturidade física e psicológica das gestantes, mas também por serem vítimas de abuso sexual e pela rejeição da própria família.
 

Uma dessas adolescentes, que preferiu não se identificar, se tornou mãe aos 15 anos. Para ela, a ajuda da família foi fundamental nesse momento.
 

“Não era uma coisa que eu esperava que ia acontecer, até porque eu sou muito nova e foi um choque muito grande pra mim. Ao mesmo tempo, pensei pelo lado positivo porque querendo ou não um bebê é uma vida e vai trazer muita alegria para mim, amadurecimento e foi muito bom. Eu mudei bastante por conta dele”, afirma.
 

A gravidez na adolescência é considerada pelos médicos até os 19 anos de idade.
 

Na unidade de saúde Bela Vista, as mães adolescentes recebem um atendimento especial. Elas são orientadas e ouvidas.
 

A enfermeira obstetra Oriana de Carvalho disse que muitas vezes a adolescente não consegue conversar sobre a gravidez com os pais. "Essa abertura do acolhimento de uma consulta com o tempo adequado e com uma comunicação efetiva faz toda a diferença”, afirma.
 

A maioria dos casos de gravidez na adolescência não é planejado.
 

Para a enfermeira, é preciso que elas tenham também o apoio e cuidado da família. "O acolhimento para a adolescente faz toda a diferença. Ela não ser julgada, não ser punida por aquela situação, não ser 'escanteada' porque ela já tem tudo isso na sociedade ou na comunidade em que ela vive", avaliou.


A pediatra Alda Elizabeth Iglesias Azevedo, que atende no Hospital Universitário Júlio Müller, em Cuiabá, explica que muitas mães adolescentes têm baixa escolaridades e vivem em situação de vulnerabilidade.
 

“O Código Penal diz que abaixo de 14 anos é considerado estupro, é considerado violência mesmo que seja com conivência. Às vezes a menina de 12 ou 13 anos tem um namorado de 15 ou 16 anos. A gente precisa ver as diferenças de idade ou se teve uma relação violenta e não quer contar. Cada caso é um caso, abaixo dos 14 anos”, afirma.

Notícias da editoria