Diário da Serra

Cattani se filiou no PSL em fevereiro e vai se efetivar na vaga deixada por Fávero

Patrícia Sanches e Bárbara Sá / RD News 14/03/2021 Política

Fávero morreu no início da tarde de sábado, 13, após não resistir a um quadro de infecção generalizada

Política

O pecuarista Gilberto Cattani, de 48 anos, vai mesmo assumir a vaga deixada pelo deputado Silvio Fávero (PSL), que não resistiu às complicações da Covid-19 na tarde deste sábado, 13. Segundo o presidente do PSL no Estado, Aécio Rodrigues, Cattani – que disputou a vaga de suplente de senador pelo PRTB em 2020 – voltou a se filiar no PSL em 22 de fevereiro deste ano e, portanto, vai ser efetivado como deputado estadual. O partido deve emitir uma nota.


Em 2018, o pecuarista se tornou primeiro suplente ao obter 11.629 votos. À época, além de Fávero, o PSL elegeu o delegado Claudinei. Com a morte de Fávero, Cattani vai se efetivar na vaga e ter direito a 1 ano e 8 meses de mandato.
 

Fávero morreu no início da tarde deste sábado após não resistir a um quadro de infecção generalizada. Ele estava internado e intubado no hospital Amecor, na Capital. Nas redes sociais, o pecuarista, que é de Nova Mutum, lamentou a morte do correligionário.
 

"A transitoriedade da vida sempre quando concluída nos abala. Nesse sábado, mais uma vez, no Estado do Mato Grosso, recebemos a triste notícia de mais uma vítima da Covid-19, dessa vez, lamentavelmente, a vítima foi o deputado Silvio Antonio Fávero, que, precocemente, nos deixa. Diante disso, quero expressar meus sinceros sentimentos à familia dele e amigos, pedindo a Deus que possa confortar a cada um nesse momento de dor".
 

Assim como seu antecessor, Cattani é polêmico. No ano passado, quando disputou suplência do Senado em chapa encabeçada por Reinaldo Morais (PSC), foi punido pelo TRE após chamar a então candidata Rubia Fernanda, a Coronel Fernanda (Patri) de “Peppa Pantaneira”.

Notícias da editoria