BUSCA DE NOTÍCIAS:
  Tangará da Serra, 22 de maio de 2017.  
Tangará da Serra - MT


Em 14/11/2016
Francisco Serrano, o homem que subiu a serra e viu o Progresso


Casa construída por Francisco, onde a família se abrigou saindo de debaixo da lona


O Memória de hoje começa de um jeito diferente. Foram vários e vários contatos em busca de pessoas que pudessem nos ajudar a homenagear nossa ilustre personalidade. Os Memórias acontecem de forma sobrenatural, rsrsrs. Quando busco uma família já levo minha lista de ainda não encontrados (homenageados) e pergunto se as pessoas com que estou conversando conhecem. E quase sempre isso acontece. Para esse, entrei em contato com Carlos Tayano em busca de fazer a homenagem com seus parentes, o que acontecerá no próximo. Então lhe perguntei sobre nosso homenageado. Ele me informou e me repassou o celular de um neto, Fabiano (bombeiro em Tangará). Fiz então contato com Fabiano que me repassou o número de uma neta do senhor de que falaremos, Olivia, mas infelizmente não obtive êxito. Voltei então, a buscar contato com Fabiano, rsrsrs (me sinto uma detetive ao fazer o Memória), que me repassou os telefones de uma prima, uma neta e uma filha, sendo, Geni, Isabel e Rosa. Após varias tentativas consegui contato com Rosa, delícia de pessoa, diga-se de passagem, que se prontificou em contar a história de seu pai, Francisco Serrano, uma das pessoas mais conhecidas do Distrito de Progresso e que foi um dos pioneiros   do lugar.
Lembram-se que no início eu disse que esse seria diferente? Pois bem, Dona Rosa não conseguiu precisar as datas específicas da vida do pai. Sendo assim, o Memoria de hoje será contado sob a ótica de Rosa, com fatos de quando ela já era uma adolescente e mudaram-se para o Progresso.
Segundo a entrevistada, a família era bastante humilde, composta pelo pai, nosso homenageado, a esposa  Augustinha e os filhos, Benito, Geraldo, Laura, Rosa, Paulo, Cecilia, Aparecida, sempre trabalhou na roça plantando arroz, milho feijão e tudo que a família necessitasse.

Um patriarca fora do comum. A alegria em pessoa

Rosa lembra-se apenas da fase em que a família residia em Tupã, São Paulo e através de um senhor, Geraldo  Caolho,  que comprava mercadorias lá e trazia para revender aqui ficaram sabendo de Tangará da Serra. “Meu pai ficou sabendo porque esse homem vinha vender umas coisa aqui, mas ele só chegava ate o pé da serra e voltava para trás. Então meu pai veio com ele (o vendedor), subiu a serra e já gostou daqui. Quer dizer, do Progresso”, conta Rosa, sorrindo deliciosamente das lembranças. “Ele veio sozinho, nós ficamos, quando voltou, disse que tinha pego umas terras de um senhor para plantar (não lembra o nome do senhor). Então arrumamos tudo para mudar para cá”, lembra.
Quando Francisco anunciou a mudança, uma das filhas que já namorava, fugiu de casa, para não vir para um local desconhecido, mas depois acabou por acompanhar a família.
“Viemos num caminhão, que deixou a nossa mudança ali no pé da serra. O pai da Dona Josefa  que já morava aqui pegou o carrinho de mão  foi nos encontrar na estrada. Meu pai vinha com um facão abrindo a estrada que era um trilheiro. E nós viemos felizes com a mudança nas costas”, relembra, feliz demais. “Aqui tinha só duas famílias. Minha filha, aqui não tinha carro, nem caminhão. Não tinha nada. Era bruto mesmo. Quando fomos para a fazenda  que ia cuidar, não tinha nem água para beber. Entramos na mata para procurar mina e depois meu pai afundou um poço”.
Segundo Rosa a dificuldade era muito grande, mas valia a pena. “Depois meu pai foi tirar madeira, tabuinha, lasca para fazer a casa. Era cada brecha que de um lado via o outro, mas agente punha lençol para tampar”, sorri.
Francisco chegou aqui já com 45 anos e já não trabalhava tao severamente na terra por causa da idade.
Certo dia, quando trabalhava, uma árvores despencou e atingiu uma das pernas de Francisco, que demorou a ser socorrido porque não tinha medico no lugar. “Aqui só tinha o seu Erotides fez os primeiros socorros e encaminhou para Cuiabá onde foi ingessada, mas com a demora ele teve gangrena. Voltou para casa e gritava de dor. Levou de volta e teve que cortar a perna dele, o que deixou meu pai muito triste e revoltado”.

A Homenagem

Depois disso passou a concertar sapatos e com 76 anos faleceu. “Ele era novo. Morreu jovem. Levantou, lavou o rosto e sentou e foi deitando e morreu. Acho que foi um infarte”. Francisco foi um dos Pioneiros de Progresso, onde os moradores ainda nos dias de hoje se lembram dele com muito carinho. Por ter dedicado parte de sua breve vida ao distrito, o Poder Público em reconhecimento aos seus grandes feitos e pela família grandiosa e amada que deixou, denominou a rua aos fundos da igreja como, Rua Francisco Serrano, eternizando seu nome no local.

>> Rosi Oliveira - Especial DS




Compartilhe:


notícias da editoria
12/05/2017 - Maria José de Matos: Uma portuguesa dura de coração mole
Maria Matos e seu filho João
29/04/2017 - Maria José Freire Duarte - Guerreira que adotou Tangará como mãe
Maria José e a filha Cristiane Freire Duarte
04/03/2017 - Pedro Alberto Tayano, 20 anos vividos com muita intensidade
“Meu filho viveu tudo que tinha que viver, apesar do pouco tempo”, diz mãe saudosa
18/02/2017 - Dionísio Pantaleão Pacheco do êxodo à terra prometida
O casal trouxe cinco filhos e aqui tiveram mais seis filhos
04/02/2017 - Carlos Tayano, aquele que fez um sonho virar realidade
Carlos Tayano e Netos
04/02/2017 - Palmira Moreschi Tayano, sua maior elegância era fazer o bem
Aniversario de seu filho Pedro Alberto em 1971
14/11/2016 - Francisco Serrano, o homem que subiu a serra e viu o Progresso
Casa construída por Francisco, onde a família se abrigou saindo de debaixo da lona
12/11/2016 - Olivo Tormes - O patriarca de uma grande família
Olivo Tormes com os pais Lídia Vargas e Basílio Francisco Tormes, Olivo ao lado do pai biológico, Dirceu Gomes de Almeida, em 2005, Casamento Olivo e Erna Tormes, em 29 de julho de 1961 , Filhos do casal: Venildo, Airton, Elizanara, Roseli e Evanir
12/11/2016 - História com Tangará da Serra começou em 1979
Em Tangará da Serra, durante comemoração das Bodas de Ouro
29/10/2016 - Zuelina Cadete Bento, a primeira parteira de Tangará da Serra
Uma parte dela era amor. A outra também
 
ÚLTIMAS NOTÍCIAS
22/05/2017 - SAÚDE
Mais de 11 mil pessoas já foram imunizadas contra gripe em Tangará

22/05/2017 - GERAL
Meia tonelada de lixo é retirada do Rio Sepotuba

22/05/2017 - GERAL
3º edição Tangará Minha Cidade

22/05/2017 - GERAL
Comarcas abrem inscrições para juízes eleitorais

22/05/2017 - GERAL
Mais de 2 mil carteiras de trabalho estão ‘esquecidas’

22/05/2017 - GERAL
Empreendedores de Tangarásão homenageados

22/05/2017 - GERAL
Chá Beneficente do Lions Clube repete sucesso em Tangará

22/05/2017 - ESPORTES
Campeonato Municipal de Velocidade na Terra não foi realizado

22/05/2017 - ESPORTES
Campus Multi Service vence Drogamax e fica com o título

22/05/2017 - ESPORTES
Real Tangará coloca as três equipes na grande final

22/05/2017 - POLÍCIA
Jovem é condenada por planejar assalto e morte de casal

22/05/2017 - POLÍCIA
Pai e filha morreram em acidente em Jangada

22/05/2017 - POLÍCIA
MT registra mais de 320 casos de estupro de crianças

22/05/2017 - POLÍCIA
Acusado de tentativa de homicídio é preso em Assarí

19/05/2017 - SAÚDE
Infecções por HIV já chegam a 80% do total registrado em 2016

19/05/2017 - GERAL
Preserve o Rio Sepotuba

Jornal Diário da Serra - Todos os direitos reservados - O primeiro jornal on-line do estado de Mato Grosso