BUSCA DE NOTÍCIAS:
  Tangará da Serra, 17 de novembro de 2017.  
Tangará da Serra - MT


Em 29/04/2017
Maria José Freire Duarte - Guerreira que adotou Tangará como mãe


Maria José e a filha Cristiane Freire Duarte


Maria José Freire Duarte nasceu Riachão do Araruna, na Paraíba, mudou-se ainda criança para o Estado de São Paulo, depois Mato Grosso do Sul. E, no ano de 1970, veio para Tangará da Serra, morar com os pais, Senhor Odilon Freire Santana e dona Carmem Aquino Santana que, juntamente com os familiares,  adotou as terras tangaraenses como mãe.
Aqui, Maria José, como é conhecida, constituiu família, carreira, referência e tem um círculo de amizades formado por professores, familiares e de seu credo religioso.
Maria José veio para Tangará da Serra com 20 anos de idade, pouco estudo e vontade para construir sonhos, juntamente com  seus pais que já moravam aqui há um ano. “Chegamos a Tangará da Serra. Aqui não tinha nada. A entrada da cidade era pela Vila Alta. Demoramos oito dias de Fátima do Sul (MS) até chegar aqui. Subimos a serra de à pé, porque não tinha estrada. Cheguei aqui no dia 8 de abril de 1970. Aqui tinha pouca coisa. Tinha um cinema. Os filmes que passavam eram mudos, só apareciam as figuras. Depois  é vieram outros tipos de filmes. Eu gostava muito dos filmes do Mazzarope”, relembra Maria José, ao contar que as festas eram feitas na praça da prefeitura, onde, hoje, está a Praça da Bíblia. 
Os pais de Maria José eram proprietários da Casa Santana, que vendia secos e molhados, na Avenida Brasil. “Meu pai veio no ano de 1969, e abriu um comércio. As mercadorias vinham de fora: Cuiabá, Presidente Prudente. O açúcar, a farinha vinha em sacas de 60 quilos. Aos domingos havia a feira, era em frente nosso comércio. Então, papai na sexta-feira já começava a fazer os pacotinhos de um, dois, três quilos de farinha e açúcar para vender na feira. Ele também vendia produtos da terra, ferramentas, alimentos. Vendia de tudo”, enfatizou Maria José. O pai de Maria José morreu no ano 1980 e a mãe morreu quatro anos depois. Após a morte dos pais, venderam o comércio para fazer o inventário e repartir a herança entre as cinco irmãs. Todas conseguiram comprar casa própria. Maria José comprou a casa no Centro de Tangará da Serra, onde mora até hoje, junto com a irmã Maria do Socorro de Santana. Elas lamentam que até hoje não conseguiram homenagear os pais, colocando seus nomes em lugares públicos.


Professora dedicada e incentivadora

Em 1977, Maria José começou a trabalhar como professora no Distrito de São Joaquim, em uma sala multisseriada, na escola municipal Jarbas Passarinho, mesmo sem ter concluído o Ensino Fundamental. Um ano depois, o marido resolveu mudar para a cidade, e ela teve que abandonar a profissão.
Como não tinha estudo, voltou a ajudar os pais no comércio. Com o fim do casamento, Maria José voltou a estudar na Escola Estadual 13 de Maio por incentivo da mãe, que tinha a preocupação de deixá-la desamparada quando morresse. Retomou os estudos a partir da 7ª série e, no mesmo ano, antes de concluí-la, passou a estudar no Projeto Logos II, no Distrito Progresso onde fez a formação de Magistério.
No ano de 1983 voltou a ser professora e trabalhou até o ano de 2009, quando se aposentou. No início, trabalhava e estudava. Lecionou nas escolas: General Dutra, na comunidade São José; Costa e Silva, na comunidade Pé de Galinha; Escola 15 de Novembro, na Comunidade Reserva; na escola Agrícola Ulisses Guimarães; e depois, cinco anos na Escola Silvio Paternez e os 13 últimos anos trabalhou no Centro Municipal Professor José Nodari. A professora lembra que na escola rural ela fazia a merenda e as crianças ajudavam. “Ali na Reserva tinha muito morcego. Todos os dias tínhamos que lavar a sala e as carteiras para começar a aula. As crianças ajudavam. Tirava água do poço no balde”.
O que ela lembra com saudade é do acolhimento que recebia dos pais. “Ali na São José as mães se organizaram e faziam comida para mim. Cada dia uma mãe mandava comida. Depois a Dona Cleuza, que tinha um bar, passou a fazer a comida para mim. Era muito difícil levar os livros, a comida, daqui de casa até a escola, fazendo essa viagem a pé. Eu saia às 4 horas da manhã, dava aula o dia inteiro e quando chegava em casa já passava das 18:30”, descreve-nos com saudade do carinho recebido e reticente em relação ao percurso ao e do trabalho.
Maria José tem alunos em diversos espaços desse município, nas mais diferentes profissões: advogados, professores, bombeiros, contadores, bancários e tantos outros.


A faculdade e as homenagens

Maria Jose cursou a Faculdade, com inicio em 1998, na ITEC, com muita dificuldade por ter que trabalhar e estudar. Mas venceu com garra mais essa etapa.
Pelo trabalho prestado a este município Maria José já recebeu várias homenagens da Secretária Municipal de Educação, dos secretários Hélio Márcio (2004) e Júnior Schleicher (2009). Também recebeu homenagem da Câmara Municipal de Tangará da Serra.
CURTINDO A VIDA - Hoje, Maria José é professora aposentada, mora com a irmã Maria do Socorro de Santana e curte a filha Cristiane e as netas Ingrid e Laís, realizando passeios e viagens. “Eu andei de avião pela primeira vez no ano passado (2016) quando fui com um grupo fazer excursão para a praia. Foi muito maravilhoso. Esse ano, se Deus quiser, iremos novamente,” brinca com os planos, entre risos. “Sou muito grata a esta cidade. Tangará foi uma mãe para toda minha família” são as palavras que ela escolheu para destacar a importância do município em sua vida, na realização da família.

>> Iolanda e Rodney Garcia - Especial DS




Compartilhe:


notícias da editoria
13/10/2017 - Ranulfo Rodrigues Cunha, o cigano mineiro
Ranulfo Rodrigues Cunha
19/08/2017 - Lenilse – esperança e realizações firmam os passos da educadora
Ao lado dos filhos, amores eternos
12/08/2017 - Gastão Lourenço de Lima, o homem que tocou as nuvens
Gastão nasceu no dia 04 de outubro de 1945
21/07/2017 - Manoel Leal, o matogrossense que repousou em Tangará
Manoel Leal e esposa Maria da Silva
08/07/2017 - Pedro Ferreira de Lima, exemplo de caráter e firmeza
Pedro Ferreira de Lima
24/06/2017 - Dona geralda: entretantos, a esperança
Geralda Serafim
10/06/2017 - José Luiz de Souza, o servo vencedor de distâncias
José Luiz de Souza
03/06/2017 - Idalina Sueza Tayano, exemplo de vivacidade
Natural de São Paulo, Idalina Tayano mora em Tangará da Serra há 40 anos
12/05/2017 - Maria José de Matos: Uma portuguesa dura de coração mole
Maria Matos e seu filho João
29/04/2017 - Maria José Freire Duarte - Guerreira que adotou Tangará como mãe
Maria José e a filha Cristiane Freire Duarte
 
ÚLTIMAS NOTÍCIAS
17/11/2017 - GERAL
Após habilitação, UPA 24 Horas recebe 1ª parcela de quase R$ 230 mil

17/11/2017 - GERAL
Sinfra realiza melhorias na estrada da Tapera

17/11/2017 - GERAL
Projeto de Lei prevê psicólogo e assistente social em escolas

17/11/2017 - GERAL
Prefeitura de Tangará abre Processo Seletivo com mais de 160 vagas

17/11/2017 - GERAL
Encerram hoje as inscrições para bolsas de estudos na Atec

17/11/2017 - GERAL
Último sarau cultural do ano terá desfile de exaltação a beleza afro

17/11/2017 - POLÍCIA
Um ano depois mãe de Rodrigo Claro diz: “Vamos lutar até o fim”

17/11/2017 - POLÍCIA
Fiscalização apreende 2 mil iscas e 161 kg de pescado irregular

17/11/2017 - POLÍCIA
Polícia prende suspeito de tráfico com 80 kg de maconha em residência

17/11/2017 - POLÍCIA
Em vídeo, detentas exaltam o Comando Vermelho

17/11/2017 - ESPORTES
Dia seguinte ao hepta tem titulares de chinelo e treino para reservas

17/11/2017 - ESPORTES
Semifinais do Mato-grossense Sub-17 estão definidas

17/11/2017 - ESPORTES
Brasil e Costa Rica fazem amistosos em MT

17/11/2017 - ESPORTES
Sorteio da Copa acontece em dezembro

14/11/2017 - POLÍTICA
RGA de servidores da Câmara será votado na semana que vem

14/11/2017 - POLÍTICA
TJ concede e servidores poderão retornar as atividades

Jornal Diário da Serra - Todos os direitos reservados - O primeiro jornal on-line do estado de Mato Grosso