Diário da Serra

Relator da reforma acolhe PEC de Jayme que cria o Benefício Universal Infantil

RD News 29/10/2019 Política

Jayme Campos autor da PEC que institui o Benefício Universal para Crianças e Adolescentes

Política

Foi acatada na reforma da Previdência, a PEC de autoria do senador Jayme Campos (DEM) que institui o Benefício Universal para Crianças e Adolescentes, pelo relator, senador Tasso Jereissati (PSDB/CE).

 

Estudos do IPEA e do PNUD, órgão da ONU que tem meta de promover o desenvolvimento e erradicar a pobreza, e que fazem parte da PEC de Jayme, apontam que para se garantir um benefício para todas as famílias com crianças, sem aumentar o endividamento público, será necessário fundir o Bolsa Família com o abono salarial e o salário-família, além de restringir as deduções para dependentes no Imposto de Renda, outra proposta da equipe econômica do Governo Federal.

 

“Essa é uma medida prática e eficiente e o melhor de tudo, impede que se faça política em cima de algo tão depreciativo como a fome, a pobreza”, disse Campos convicto de que o presidente Jair Bolsonaro tem a chance de mudar a política do Brasil para a infância e adolescência.

 

Somente seis emendas parlamentares foram acolhidas pelo relator da Reforma da Previdência e uma delas foi a do senador Jayme Campos que cria o Benefício Universal para Crianças e Adolescentes.

 

Após a aprovação da reforma, os senadores começaram a analisar a PEC Paralela. Ela foi lida na quarta (23), na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ). A proposta altera o texto da reforma e uma das mudanças é a inclusão de estados e municípios no novo sistema de aposentadoria.

 

Na apresentação da emenda, Jayme destacou que os indicadores sociais revelam uma realidade perversa para crianças e jovens no Brasil. “Temos que mudar a realidade de 55 milhões de brasileiros que vivem abaixo da linha da pobreza, sendo que deste total 12,5% tem entre 0 a 14 anos e estão na extrema pobreza e 43,4% na pobreza, segundo dados do IBGE”.

 

Ele sinalizou ainda que, do total da população de brasileiros em situação deplorável, mais de 6,8 milhões são crianças, “ou seja, o futuro do Brasil”. Segundo dados do IBGE, em números absolutos, os brasileiros de 0 a 14 anos na extrema pobreza são em torno de 6,8 milhões e equivalem a quase toda população da Dinamarca e pouco mais de 23,8 milhões que vivem na pobreza, são pouco mais do que o número de habitantes do Chile.

 

Segundo Jayme, estimativas iniciais sugerem que, mesmo sem custo fiscal extra, a pobreza infantil poderá ser reduzida em 30%. Jereissati corroborou com a ideia do senador mato-grossense e acolheu a emenda “para permitir que o benefício, apesar de universal, concentre recursos nas famílias mais pobres e na primeira infância.

 

A votação da PEC Paralela poderá ser concluída em até 15 dias na CCJ e antes de 19 de novembro em Plenário.

Notícias da editoria