Diário da Serra

Mapa monitora casos de Covid-19 próximos a terras indígenas em Mato Grosso

G1MT 06/05/2020 Saúde

Estudo indicou 57 aldeias em Mato Grosso com índices de vulnerabilidade demográfica e infraestrutural classificados em moderado, alto, intenso ou crítico.

Saúde

Um mapa que monitora casos suspeitos de coronavírus (Covid-19) próximos a terras indígenas em Mato Grosso foi elaborado nesta semana pela Federação dos Povos e Organizações Indígenas de Mato Grosso (FEPOIMT) e pelo Instituto Centro de Vida (ICV). A medida faz parte de um plano emergencial de contenção à disseminação do novo coronavírus.


O mapa tem atualização diária de número e localização de casos confirmados do vírus no estado. A ferramenta mostra a proximidade de casos confirmados a aldeias indígenas do estado, o segundo com o maior número de Terras Indígenas (TIs) consideradas sob sério risco no país de acordo com pesquisa publicada pela Associação Brasileira de Estudos Populacionais (Abep).


O mapa do plano emergencial ‘Covid Fora das Aldeias’ revela territórios das etnias kisêdjê, kayapó, nambikwara, xavante, bororo, tapirapé, paresi e cinta larga próximos a cidades com números que variam de um a 51 casos confirmados da doença.
 

Além das idas às cidades para compra de suprimentos e sacar benefícios como a aposentadoria e o bolsa-família, os indígenas sofrem maior risco de exposição ao vírus pelas invasões de garimpeiros e madeireiros ilegais que mantêm atividades nos territórios durante a pandemia.
 

Situação crítica
 

O estudo da Abep indicou 57 aldeias em Mato Grosso com índices de vulnerabilidade demográfica e infraestrutural classificados em moderado, alto, intenso ou crítico.
 

A pesquisa considerou fatores como distância de centros com unidades de terapia intensiva (UTIs), saneamento, porcentagem de idosos na população e capacidade de manter distanciamento social.
 

Maior território indígena do país, o Parque Indígena do Xingu é considerado sob ameaça intensa e integra os municípios de Querência e Canarana, com dois casos confirmados cada, além de estar próximo ao município de União do Sul, com um caso confirmado.
 

A pesquisa mostrou duas Terras Indígenas (TIs) do estado com vulnerabilidade crítica, classificação máxima do nível de risco.
 

Uma é a Enawenê-Nawê, que também conta com a maior média de moradores por domicílio (31 pessoas) dentre as terras indígenas do Brasil.
 

A segunda é a aldeia da etnia chiquitano Portal do Encantado, que abrange dois municípios com casos confirmados, Vila Bela da Santíssima Trindade e Pontes e Lacerda.
 

As aldeias Jarudore, da etnia bororo, e Krenrehé, dos krenak e maxakali, figuraram na pesquisa como terceira e quarta, respectivamente, terras indígenas com maior índice de habitantes de 50 anos ou mais, principal grupo de risco do coronavírus.
 

Ainda não há casos confirmados do vírus em territórios indígenas do estado.
 

Segundo dados do Boletim Epidemológico da Secretaria de Saúde Indígena (Sesai) do dia 3 de maio, há dois indígenas com suspeita de infecção notificados pelo Distrito Sanitário Especial Indígena (DSEI) Kayapó, que atende mais de 6 mil indígenas de municípios do norte de Mato Grosso e do sul do Pará.


Vulnerabilidade acentuada
 

De acordo com a FEPOIMT, a assistência de órgãos federais e estaduais são insuficientes para assegurar acesso à informação, alimentos, remédios e produtos de higiene, assim como equipamentos de proteção individuais às equipes dos Distritos Sanitários Especiais Indígenas (DSEIs).
 

A ameaça do novo coronavírus às cerca de 50 mil pessoas dos 43 povos indígenas do estado é potencializada pelas dificuldades de saneamento e acesso a água, atendimento médico e condições gerais de saúde nas aldeias.
 

Os xavantes, por exemplo, têm média quatro vezes superior à média nacional no número de diabéticos, grupo de risco da doença.
 

A federação informa que está em crescimento o número de ocorrências nas populações indígenas de doenças como hipertensão, diabetes, obesidade e doenças infecciosas como malária, tuberculose e hepatite B, assim como desnutrição e anemia em crianças.
 

Como parte do Subsistema de Atenção à Saúde Indígena (SasiSUS), os DSEIs são responsáveis pela atenção básica à saúde, ações de saneamento e acompanhamento de pacientes com doenças crônicas nas aldeias.
 

O serviço não inclui o tratamento de infectados pelo coronavírus, que devem ser encaminhados a centros especializados para testagem e encaminhamentos posteriores.
 

Aldeias e centros urbanos
 

Com habitações numerosas, a solução para conter o vírus entre os indígenas é manter controle de entrada e saída de pessoas com sintomas das aldeias, tarefa complexa principalmente em locais com trânsito intenso entre os municípios.
 

Já as áreas protegidas afastadas dos centros urbanos sofrem pelas dificuldades na obtenção de informações.
 

Realizando articulações para conscientização acerca dos riscos do novo coronavírus entre povos das sete regionais do estado (Xingu, Kayapó, Noroeste, Cerrado Pantanal, Vale do Guaporé, Xavante e Araguaia), a federação contribuiu na construção do mapa e o utilizará para monitorar os casos e articular ações.
 

A organização indígena ressalta a necessidade de orientações e apoio que levem em consideração as necessidades específicas das aldeias indígenas.
 

O indígena do povo chiquitano também atenta à necessidade urgente de conter a disseminação por causa dos grupos de risco entre os povos (idosos e portadores de doenças crônicas), famílias em situação social mais vulnerável e populações de territórios não demarcados.
 

O plano emergencial da entidade prevê diversas ações de enfrentamento à pandemia – entre elas, a arrecadação online para garantir o suprimento de produtos alimentícios e de higiene nas aldeias durante a pandemia.

Notícias da editoria