Diário da Serra

Em 60 dias, Corpo de Bombeiros de Tangará atendeu mais de 160 ocorrências de queimadas em vegetação

Assessoria 3ªCIBM 04/09/2020 Polícia

Os números representam quase três ocorrências por dia

Polícia

Após sessenta dias do início do período proibitivo de queimadas no Estado do Mato Grosso, iniciado em 1 de julho até 30 de setembro, que amplia a proibição do uso do fogo à área rural, a 3ª Companhia Independente Bombeiro Militar (3ª CIBM) atendeu a mais de 160 acionamentos para combate a queimadas em vegetação.


Essas ocorrências atendidas durante o período proibitivo de queimadas, até esta data, correspondem a 75% do total das ocorrências desta natureza atendidas em 2020, confirmando ser este o período mais crítico do ano referente a incêndios. “Para minimizar as áreas atingidas pelo fogo, muitas localidades contam com brigadas de incêndio florestal capacitadas pelo Corpo de Bombeiros as quais são um importante instrumento para auxiliar no combate às queimadas, sendo a primeira a atuar em incêndios florestais que ocorrem em locais mais afastados da área urbana, enquanto os Bombeiros deslocam para a ocorrência”, afirma o tenente Fábio dos Santos Sabino, ao destacar que para estas solicitações, quanto mais rápido for realizado o acionamento via 193, menor os danos causados, diminuindo os prejuízos à natureza e às propriedades (pastos, animais, casas, máquinas), e evitando também consequências à saúde do ser humano.
 

Das ocorrências de grande proporção atendidas pela corporação nesse período, a da região localizada entre o Assentamento Antônio Conselheiro e a Serra do Limão, durou uma semana até a extinção completa do fogo, sendo necessário o emprego de todos os militares em condições da 3ª CIBM, somando-se aos esforços de proprietários rurais, vizinhos da região e seus materiais colocados à disposição durante o combate. “Grande parte dos incêndios florestais atendidos pela Corporação na região são resultados de fogo provocado pelo homem, e que foge ao controle de quem o iniciou, sendo os mais comuns percebidos, bituca de cigarro na estrada, fogo em lixo, limpeza de terreno com utilização do fogo, passando a outras áreas de vegetação”, completa. 
 

Ainda conforme o responsável, dos horários mais críticos para efetuar o combate, aqueles que acontecem entre as 11h e as 15h, são os de mais difícil controle, devido à temperatura elevada, fortes ventos, e somando-se a isso, a vegetação muito seca e densa, que contribui para uma propagação muito rápida do fogo na vegetação. “Quando, além desses fatores, o terreno é muito acidentado (fogo subindo a serra), o incêndio fica muito mais difícil de ser controlado”.
 

Conscientização
 

Visando a diminuição das ocorrências desses incêndios, a 3ª CIBM realiza trabalhos preventivos e educativos, para conscientizar a população da importância da não utilização do fogo para queimadas, principalmente esse período, por ser o mais crítico do ano.  Dos trabalhos realizados, são feitas em escolas através de palestras sobre o tema, divulgação nos meios de comunicação, e esse ano a unidade está fazendo este trabalho por meio de concurso de redação aos alunos de escolas da rede municipal de ensino, com o tema “Queimada e prevenção a incêndios florestais”, estendendo-se a cidades vizinhas, com direito a premiação.

Notícias da editoria