Diário da Serra

'Seria preso em 3 meses', afirma Dr. João para descartar candidatura para prefeito

Gazeta Digital 09/08/2019 Política

O deputado foi apontado pelo cacique do MDB, Carlos Bezerra, com um dos nomes fortes para as eleições municipais de 2020

Deputado Dr. João

Cotado para concorrer à prefeitura de Tangará da Serra, o deputado estadual Dr. João (MDB) afirma que não faz parte dos seus planos um cargo no Executivo. “Eu seria preso em 3 meses”, enfatiza o parlamentar, ao explicar que não conseguiria lidar com a burocracia para a decisão.


O deputado foi apontado pelo cacique do MDB, Carlos Bezerra, com um dos nomes fortes para as eleições municipais de 2020. Isso porque ele foi eleito com 29 mil votos, dos quais 14 mil foram apenas em Tangará da Serra. Nas eleições de 2016, o atual prefeito, Fábio Junqueira (MDB) foi eleito com 18 mil votos.


Apesar das apostas, o médico, que exerce seu primeiro mandato eletivo, descarta o trabalho como prefeito. “Na vida tem que ter perfil e eu não tenho perfil para ser Executivo”.
Entre os motivos para não ser adequado para o cargo, segundo o deputado, estão a burocracia. “Eu como médico, com quase 40 anos de medicina, sou cara muito prático, objetivo. Aí tem uma pessoa morrendo, mas não pode fazer porque nada porque tem que fazer licitação, mas a pessoa está morrendo, aí eu faço sem licitação e vou preso”.


Mesmo sem participar diretamente da eleição, o apoio do parlamentar pode decidir o resultado das urnas. Uma das apostas de Dr. João é o também médico e empresário, Ricardo Torres. “É um médico que tem uma clínica de cardiologia, jovem. É um cara muito bom. Tudo o que ele põe a mão dá certo. Eu, particularmente, se hoje fosse a eleição, votaria nele”.


No entanto, ele afirma que vários pré-candidatos já começam a aparecer no município. “Lá tem o candidato do atual prefeito, que é o Wesley Torres, da Samae. Tem o filho do Saturnino Masson, o Vander Masson”.
 

Notícias da editoria