Diário da Serra

PESSOAS COM DEFICIÊNCIA

Prof. Me. Sebastian Ramos 30/09/2019 Artigos

É um assunto que particularmente me toca e me põe a pensar constantemente.

Artigos

Já escrevi aqui sobre este assunto ou temas relacionados a ele, mas esta é uma pauta que sempre precisamos escrever, dialogar, falar, lembrar e reivindicar, pois não é preciso ir longe para saber que muito ainda tem que ser feito em nosso país quando a questão são as políticas públicas sobre as deficiências e as próprias atitudes de cada cidadão e cidadã sobre o tema.  É um assunto que particularmente me toca e me põe a pensar constantemente. Tenho uma sintonia pessoal com esta causa e me desafio diariamente a lutar pela mesma junto com milhões de pessoas pelo Brasil todo. A última semana de setembro foi dedicada a pensar a respeito das pessoas com deficiência e as alegrias e tristezas que estas vivem no dia a dia. Foi também Dia Nacional da Pessoa Surda, lembrado no dia 26. Só estes dois motivos já são motivos suficientes para a sociedade brasileira pensar e agir a respeito das questões que envolvem as deficiências no território brasileiro. Muito além de políticas publicas existentes ou ausentes, é preciso pensar sobre nossa relação com esta pauta. Somos ainda deficientes visuais quando à nossa frente temos muitos casos de deficiências e nem sempre agimos para poder mudar esta realidade ou minimamente oferecer apoio. A cegueira da indiferença é assustadora. Somos ainda deficientes auditivos quando não queremos ouvir os apelos e os gritos de milhões de pessoas na luta por seus direitos e por uma sociedade mais inclusiva. A surdez para a realidade é comprometedora. Somos ainda deficientes intelectuais quando não dispomos de nosso conhecimento para ajudar a mudar a triste realidade que ainda existe em nosso país quando o assunto é a deficiência. A ignorância frente ao óbvio nos torna insensíveis. Somos ainda deficientes físicos quando diante de uma sociedade inacessível não damos um passo para que as boas ações se multipliquem e as limitações sejam superadas. A imobilidade política e cidadã nos impede de fazermos a diferença. Somos ainda deficientes múltiplos quando não nos envolvemos, quando simplesmente ignoramos esta pauta, quando julgamos sem saber, quando desrespeitamos pessoas com deficiência em seus direitos, quando dentro do possível não promovemos inclusão, acessibilidade e dignidade para as pessoas com deficiência. Vale sempre a pena lembrar o que escreveu Mário Quintana: “Deficiente” é aquele que não consegue modificar a vida, aceitando as imposições de outras pessoas ou da sociedade e que vive, sem ter consciência de que é dono de seu destino... E finalmente, a pior das deficiências é ser miserável, pois: “Miseráveis” são todos que não conseguem falar com Deus.”


Prof. Me. Sebastian Ramos
professorsebastian@hotmail.com

 

Notícias da editoria