Diário da Serra

Aulas presenciais em Cuiabá continuam suspensas até o dia 11 de outubro, decreta prefeito

G1MT 01/10/2020 Educação

O decreto é válido para escolas particulares e municipais de Cuiabá. No entanto, a medida não altera a permissão de retorno gradual de aulas para crianças do berçário I e II e maternal I.

Educação

As aulas presenciais em escolas particulares e municipais de Cuiabá permanecem suspensas até o dia 11 de outubro. Desde março não tem aulas presenciais por causa da pandemia do novo coronavírus. Enquanto isso, os alunos estudam de forma remota.


A determinação é do prefeito Emanuel Pinheiro, que editou nesta quinta-feira, 1º, o decreto nº 8.132, prorrogando o prazo de suspensão das atividades presenciais nas unidades educacionais.


O novo documento não muda as orientações do decreto anterior, que permitiu o retorno gradual e seguro das atividades presenciais nas unidades de ensino privadas de Cuiabá, para alunos do berçário I e II e maternal I.
 

Nestes casos, porém, deve-se respeitar o percentual de 50% da capacidade máxima das salas de aula e respeitar o limite de até 15 alunos por turma, com a adoção de medidas de biossegurança.
Cuiabá possui 164 unidades educacionais na rede pública municipal.

 

De acordo com a prefeitura, são mais de 52 mil alunos, além de 55 mil alunos na rede privada, o que totaliza aproximadamente 107 mil estudantes.
 

Na rede estadual as aulas também continuam suspensas.
 

Consulta aos pais
 

Uma pesquisa foi lançada pela Secretaria Estadual de Educação (Seduc) para saber a opinião dos pais dos alunos sobre o retorno das aulas presenciais. Desde março, as aulas presenciais estão suspensas por causa da pandemia do novo coronavírus. A pesquisa é feita pela internet.
 

O questionário tem cinco questões para os pais responderem, como a etapa de ensino do filho, se concordam com a retomada das aulas presenciais, se o filho tem algum tipo de comorbidade e se convive com alguém que tenha uma.
 

O resultado da pesquisa deve orientar a Seduc sobre o retorno das aulas presenciais ou não.

Notícias da editoria