Diário da Serra

PAIS, SEJAM BONS EXEMPLOS PARA SEUS FILHOS.

Juscélia Paschoal Cardoso Silva 06/11/2020 Artigos

A palavra convence, mas o exemplo arrasta. Não se preocupe porque seus filhos não te escutam, mas te observam todo o dia

Artigos

O papel dos pais na educação dos filhos não é tarefa fácil, pois ter um filho, vai além das responsabilidades diárias, pois requer um amor incondicional, diálogo e empenho constante na sua educação e desenvolvimento pessoal.


Geralmente o primeiro contato que a criança tem ao nascer, é com os pais, são eles a referência na formação da sua personalidade e do seu caráter, que se desenvolvem à medida que crescem, tomando como base o que veem, ouvem e o que vivenciam, portanto, é de suma importância as atitudes, hábitos, valores, crenças, e o próprio comportamento dos pais e familiares no seu dia a dia. Como afirma Madre Teresa de Calcutá “A palavra convence, mas o exemplo arrasta. Não se preocupe porque seus filhos não te escutam, mas te observam todo o dia”. Dessa forma, o comportamento dos pais tem mais impacto do que as palavras. Os conselhos devem ser sempre condicentes com os atos, pois os filhos são observadores, curiosos, imitadores das atitudes e comportamentos, absorvem as influências positivas e negativas, reproduzindo assim, as experiências que vivenciam.


São os pais que proporcionam à criança, todos os estímulos para seu desenvolvimento e crescimento, e com seu exemplo, formam a base para que a criança adquira valores como: caráter, humildade, bondade, verdade, sinceridade, obediência, respeito e justiça. É fundamental que os pais tenham a consciência do papel que o “exemplo” tem, na educação de seus filhos, pois grande parte do que eles apreenderão, decorrerá dos seus ensinamentos, inclusive o discernimento do certo e errado.


É desejo dos pais, criar filhos saudáveis, benfeitores e prósperos, para isso, faz-se necessário, além do apoio estrutural e financeiro, apoio psicológico: amor, carinho, atenção, compreensão, limite, diálogo e sobretudo, presença física no seu cotidiano, pois muitas vezes, o tempo que deveria ser gasto com o acompanhamento e ensino, é substituído pela atenção dispensada ao celular, à televisão, compromissos profissionais ou afazeres domésticos, influenciando de forma negativa no seu desenvolvimento emocional. No entanto para que os filhos saibam discernir sobre o que que é bom, ruim, necessário, supérfluo e essencial em suas vidas, os pais devem ser verdadeiros, conscientes, justos e participativos, influenciando assim, positivamente à vida dos seus filhos.

Juscélia Paschoal Cardoso Silva – Professora Graduada em Pedagogia - UNIC, Especialista em Psicopedagogia Construtivista – ITEC

Notícias da editoria